sábado, 25 de fevereiro de 2017

INTOLERÂNCIA RELIGIOSA, INDIGNAÇÃO SELETIVA E O MUNDO DE GOEBBELS


Nota-se que Goebbels deixou um legado para lavagem cerebral em massas quando disse "Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade" privando a média da real situação dos fatos. O "Quarto Poder" exerce atividades em todo mundo transfigurando impressões dando uma percepção errada do que se passa no tocante a intolerância religiosa.

Já está ficando usual o termo islamofobia nas grandes mídias mundiais, basta um ataque terrorista antecedido pelo grito Allahu Akbar que todo os setores de comunicação prepara seus discursos antipreconceito para que não se confundido as coisas, pior ainda é que a visibilidade dada à negatividade do estereótipo muçulmano está anos luz de distância da visibilidade dada à matança de cristãos em várias partes.

Creio que a maior desumanidade mundial na cobertura de ataques islâmico foi a diferença entre os 12 mortos do Charlie Hebdo, e logo em seguida o Boko Haram matou centenas de pessoas na Nigéria em um só dia somente por serem cristãos em 2015. Claro que pessoas são pessoas! Independente das diferenças, tanto os ateus do Charlie Hebdo e os cristãos da Nigéria são seres humanos, mas; por que no outro dia os monumentos mundiais não colocaram a bandeira da Nigéria em solidariedade aos mortos pelo fanatismo islâmico???  

O fato é que os sentimentos das pessoas são objetos de engenharia social, cuja influência dos meios de comunicação tendenciosos, celebridades, intelectuais e instituições exercem o poder de gerar indignações direcionadas ao lado errado da história a tal ponto de transferir o ódio para o grupo perseguido em vez do perseguidor. Esta também era uma estratégia de Goebbels, chamada de "Princípio da Transposição".

Outro fato estarrecedor que não teve e devida magnitude de gravidade foi a decapitação de um padre por um muçulmano DURANTE UMA MISSA na França em julho de 2016 ( http://radiovox.org/2016/07/26/padre-de-86-anos-e-decapitado-por-muculmanos-em-missa-na-franca/), agora, quando emitem uma mera opinião negativa ao sistema opressor de mulheres que há no Oriente Médio, logo tacham de ataque islamofóbico; este também é outro legado de Goebbels, chamado de "Princípio de Exageração e Desfiguração", onde se hiperboliza tudo. Já imaginou se um cristão assassinasse um imã (líder espiritual islâmico) dentro de uma mesquita na Europa? com certeza a reação seria mundial contra a islamofobia...

Percebe-se que as inclinações emocionais são estudadas, as comoções são orquestradas para serem sentidas conforme o sistema deste mundo deseja. O silêncio nas divulgações dos fatos inconvenientes é outra estratégia de Goebbels.
Alguém já viu boa vontade das Comissões de Direitos Humanos das Nações Unidas em denunciar que:

  • 332 cristãos são assassinados por mês por causa de sua fé.
  • 772 sofrem espancamentos ou estupros ao serem descobertos como cristãos.
  • 214 igrejas são destruídas ou saqueadas por mês.
  • Cristãos na Coreia do Norte são presos por não adorarem o ditador comunista Kim Jom-Un.
  • Os cristãos da Nigéria sofrem pressão para se converterem ao islã para receber ajuda financeira.

Fonte: AINA

A onda de intolerância é totalmente inversa ao que se propaga, graças as técnicas de difusão contagiosa de informações que geram percepções que não condizem com a realidade.

O maior entorpecente que ludibria a humanidade não são as drogas sintéticas, o ópio, a maconha, mas sim a mentira contada de modo tão "sincera" e repetidas vezes.


Outras fontesCM , WIKIPÉDIA


OBSERVATÓRIO DA FÉ

Nenhum comentário:

Postar um comentário