domingo, 4 de dezembro de 2016

HUNGRIA: O PRIMEIRO GOVERNO A AJUDAR OS CRISTÃOS PERSEGUIDOS


Diante do silêncio ensurdecedor da grande mídia mundial, e contando apenas com mídias alternativas, o genocídio cristão tomou proporções gigantescas em vários países do mundo; alguns de países comunistas e maioria de regimes islâmicos. 
Seja na Ásia, África, Oriente Médio e até Europa, vemos o cerceamento de liberdades, marginalizações, agressões físicas, assassinatos por motivações religiosas.

Os governos suavizam os adjetivos relacionados ao terror e sua associação com o sistema teo-político do islamismo, numa diplomacia suicida, permitem a infiltração aos moldes do cavalo de tróia em todo a UE enquanto milhões de cristãos são perseguidos cruelmente.

No entanto, a Hungria se mostra como um corajoso país a ser o primeiro do mundo em oficializar a ajuda, assistência e apuração na perseguição aos cristãos. De fato, está indo na contra mão de toda Europa que acolhe muitos terroristas e criminosos travestidos de refugiados; tanto que nos países europeus com abertura indiscriminada é justamente onde aumentou o número de estupros, violência e ataques terroristas.

O Ministro dos Direitos Humanos da Hungria, Zoltan Balog, ressalta que o cristianismo é a religião mais perseguida do mundo, até mesmo antes do surgimento do Estado Islâmico. 

Também mostra sua consciência acerca dos 200 milhões de cristãos que vivem em áreas onde são discriminados: onde 5 pessoas morrem por motivação religiosa, 4 são cristãos. O fato dele também incluir cristãos perseguidos na Europa é porque muitos que fogem das tensões do Oriente Médio e África são perseguidos pelos próprios refugiados muçulmanos na Europa (isso quando chegam à Europa, pois muitos cristãos são lançados do barco ao saberem que da fé deles).

Segundo o Ministro Balog "Nosso interesse não é focado somente no Oriente Médio, mas em formas de discriminação e perseguição de cristãos em todo o mundo. E manteremos vigilância sobre as formas mais sutis de perseguições dentro das fronteiras europeias."

Um relatório (http://www.deseretnews.com/article/865655578/Growing-concern-for-German-churches-Muslim-refugees-harassing-Christians.html) revelou que 88% dos 231 refugiados cristãos entrevistados na Alemanha sofreram perseguição em forma de insultos, ameaças de morte a agressões, tudo por motivos religiosos. Algumas foram até forçadas a se converterem ao islamismo.

Isso não se trata de discriminação aos muçulmanos, mas é questão de bom senso humanitário. Não é normal cidades antigas tradicionalmente cristã do Iraque sendo esvaziadas, com suas crianças sendo enterradas vivas, mulheres virando escravas sexuais, e decapitações coletivas! Até mesmo países que se encontram certo número de cristãos como Egito e Paquistão está havendo uma crescente onda de radicalização, intolerância e perseguições.

Claro que em se tratando de política, a Hungria pode ter suas razões, nós nunca sabemos as intenções nos bastidores do poder. Mas inicialmente é muita coragem do governo húngaro simplesmente peitar a União Europeia censurando-os pela parcialidade no tratamento e o acolhimento irresponsável de refugiados, e ainda fechar as portas aos refugiados muçulmanos por prioridades e por motivo de segurança frente as ideologias radicais que são trazidos por muitos deles.


Fonte: JW

OBSERVATÓRIO DA FÉ

Um comentário:

  1. o islã, os muçulmanos ...gogue e magogue eles se levantarão contra os cristãos e Israel ,mas o DIA DO SENHOR cairá sobre eles no tempo oportuno.

    ResponderExcluir