sexta-feira, 9 de setembro de 2016

PASTOR AMERICANO COMPRA ARMAS PRA AJUDAR RESISTÊNCIA CRISTÃ AO ESTADO ISLÂMICO


Os gastos e a logística da guerra contra o Estado Islâmico geram muitos prejuízos que refletem em vários setores da sociedade iraquiana, algumas delas fazem parte das necessidades mais básicas como alimentação, saúde e segurança - principalmente esta última.

Já é conhecido que devido ao perigo iminente de serem escravizados e mortos, houve um êxodo cristão em direção às Planícies de Nínive para se juntar aos outros fugitivos dos ataques do ISIS. Também é sabido que um partido iraquiano está auxiliando dando armas e treinamento aos cristãos para se protegerem, haja vista já ser escasso o serviço de segurança no país.

As armas vindas da milícia Curda Peshmerga, a maior resistência contra o ISIS, estão acabando. Segundo os generais, o seu arsenal perto dos carros blindados e armamento pesado do Estado Islâmico equivale a "arco e flechas". Muitos perguntam aos generais o que pode ser feito, ajudam em apenas assistência ou "apoio moral"; até que um pastor missionário americano decidiu ajudar de forma mais prática.

O pastor da Igreja Batista William Devlin decidiu ajudar com seu próprio dinheiro, comprando armamento para as milícias cristãs nesta região para se protegerem e combater o Estado Islâmico. William é um pastor que costuma ajudar cristãos perseguidos nos lugares mais perigosos do mundo além de dar assistência com seus próprios recursos, ou seja, das ofertas oriundas da sua obra.

Essa atitude não muito comum vindo de um pastor pode despertar a atenção do governo dos EUA - ele bem sabe disso -, por isso vai se reunir com os funcionários do Departamento de Estado no próximo mês para dar alguns esclarecimentos.

O pastor alega que ele mesmo é prova de que não é preciso uma grande organização ou apoio do governo para ajudar as vítimas do Estado Islâmico. Disse Devlin: "Eu não tenho uma grande organização. Eu não tomo dinheiro do governo. Eu não trago dinheiro de fundação, nem mesmo tiro dinheiro de empresas. É tudo dinheiro privado que eu levanto nos EUA. Eu conto com 200 pessoas que apoiam meu trabalho financeiramente".

Esse pastor, com sua boa vontade e disposição, sozinho já fez mais que a comunidade internacional. A sua pronta disposição em comprar armas sem titubear foi muito admirada pelos generais peshmerga.

Ele não comprou somente armas, mas também alimentos, vestuário e itens de higiene para os civis. 

Esse sim não ficou só na oração... 


Fonte: THE CHRISTIAN POST

OBSERVATÓRIO DA FÉ

Nenhum comentário:

Postar um comentário