sexta-feira, 5 de agosto de 2016

PAQUISTÃO: MÉDICO MUÇULMANO É PERSEGUIDO POR SOCORRER CRISTÃO


Os cidadãos não muçulmanos no Paquistão vivem em intenso estado de alerta por maior tensão e conflitos religiosos. Na realidade, pra consertar o termo, não se trata de conflitos religiosos; mas sim, de muçulmanos que perseguem cristãos, sikhs, xiitas e hindus no país - Não é islamofobia, é um fato.

São incontáveis os casos de civis que perseguem, agridam e matam confiando na fragilidade das autoridades em punir muçulmanos conforme relata o observatório dos direitos humanos do Paquistão. Um mínimo auxílio dado a um cristão, por exemplo, é motivo de repúdio e discriminação.

É o caso de um médico, que não teve o nome mencionado, o qual tivera que se refugiar nos EUA por socorrer e salvar um paciente cristão. A enfermeira assistente se enfureceu contra o médico, o denunciou e disse que as esmolas islâmicas que sustentam o hospital não são destinadas aos cristãos. 

Mesmo não sabendo que o paciente era cristão, o médico passou a ser ameaçado de morte, perseguido por colegas, pelos conselhos de médicos do país e até mesmo pelas ONGs dessa religião. Os muçulmanos conservadores deduziram que o fato de ele não conhecer as leis de esmolas significaria que ele pertence a um grupo muçulmano minoritário (que para eles significa não é fiel ao Alcorão). Isso é como uma sentença de marginalização neste país, e no caso de ter ajudado um cristão, sentença de morte.

O médico conseguiu sair do país com a esposa, está trabalhando em outro emprego na América porque não pode exercer sua profissão, mas está tentando conseguir licença para exercer.

Ele ressaltou que seu país natal é um dos alicerces do fanatismo islâmico, e que ele não pergunta a religião do indivíduo que necessita de socorro. Para ele, a humanidade não é só a base da sua profissão, mas também de qualquer religião.

Custou caro, muito caro o exercício da sua função, mesmo inocente, a um paciente que não pertence a religião dominante nesta nação. 


Fonte: THE GUARDIAN

OBSERVATÓRIO DA FÉ

Nenhum comentário:

Postar um comentário