quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

SOBRE A MARCHA PARA SATANÁS


Desde que começou a se proliferar a propaganda desta manifestação não me deu nenhum interesse em saber, em me preocupar ou até mesmo orar a respeito disso. Tudo o que fiquei sabendo foi através das neuroses apocalípticas dos ativistas (?) cristãos.

Alguns pedem pra entrarem em oração, outros pra jejuarem e entrarem numa ‘‘luta espiritual” contra as "forças das trevas" em ascensão no Brasil. Parece que o diabo está tomando as ruas. (risos)

Gostaria de dizer aos irmãos bem intencionados, que por acaso incorporam a histeria semelhante aos dos movimentos sociais de pressão política, que Deus não está em pé de igualdade com Satanás na disputa do território brasileiro ou preocupado com a representatividade nas ruas. 

A agenda de Deus não é essa coisa de protestos, marchas ou aparelhamento da fé por via estatal. Se no Império Romano a Igreja crescia constantemente pra quê preocupações neste caso por demais infantil?
Há uma ideia entre os religiosos de que, pelo fato de uma manifestação ter o nome de Deus, seja aprovado por ele. Essa leitura fomenta a apreensão de muitos acharem que esses fenômenos de ruas em nome de religiões sejam reflexos do mundo espiritual.

Nem Deus nem diabo necessitam de movimentos de rua para serem representados e conhecidos, eles fazem bem seus papéis obrigado! Considerando também que no país há liberdade de crença, então que façam! Façam para o que chamam de diabo, do unicórnio, da baratinha verde! O que acrescentará, ou o que afetará em nossas vidas?

Não é de hoje que movimentos antagônicos aos valores cristãos financiados por políticos adoram provocar os cristãos em suas manifestações para que se confirmem os rótulos de intolerantes.

Até entendo a chatice dessa marcha pelo fato de desejarem publicamente à morte de pastores e políticos, mesmo sendo de forma piadista - o que mostra bem o caráter politiqueiro do ato. Se os direitos humanos quer criminalizar as opiniões dos religiosos como sendo odiosos, por que não incriminar esse movimento com um ódio tão escancarado?

O valor que dou a Marcha pra Satanás é o mesmo dado a Marcha pra Jesus: nenhuma!
É fato que as terminologias ativam dispositivos mentais de extremismos em religiosos alucinados. Esse processo se encontram em qualquer religião, mesmo em ateus (por isso que vemos muito Deus na boca de ateus e muito diabo na mente de crentes).

Depois que chegou ao meu conhecimento a profunda maquiavelice dos barões da fé no Brasil, sei que os dois movimentos não passam de grandes interesses para fins humanos, e quando pouco, espúrios! Por isso, pode-se dizer que existe mais Satanás entre tais líderes cristãos do que nesse movimento de experiência social.

Por isso, é desnecessário se preocupar com tudo isso. Há uma pauta política nesse movimento (de caráter esquerdista pra variar), e sabemos que boa parte do povo brasileiro está habituada a recorrer ao Estado para tudo... Até em assuntos espirituais! Problemática é a fé num Deus estatal, num Deus ideologizado, num Deus que ganha no grito, num Deus que precisa de dinheiro público pra ser pregado.


Talvez, esses movimentos tenham um grande valor estatístico no índice de descerebrados no Brasil, haja vista, as experiências sociais no Brasil serem baseado na exploração das emulações em questões de fé.

EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

Um comentário: