quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

REBELDES SÍRIOS NÃO PAGANDO COM A MESMA MOEDA, PELO MENOS É O QUE PARECE!


É compreensível, depois tantas execuções com requintes de barbáries, ficar indignado com o crescimento do Estado Islâmico a ponto de desejarmos a morte deles. Desejamos um ataque mais maciço da coalizão internacional e por tabela um outro mais brutal como o da força russa.

Mas um grupo rebelde sírio deu um salto em todos os paradigmas e fugiu da lei de causa e efeito nas concepções generalizadas. Eles poupam os membros presos que pertenciam ao Estado Islâmico e faz um clérigo explicar minuciosamente que é quem em toda essa guerra.


De fato essa atitude é inusitado aos nossos olhos. Entendemos, mais ainda os cristãos, o quão é necessário haver misericórdia e compaixão - não foi Jesus mesmo que ensinou o perdão ilimitado?
Mas também sabemos que não se combate o terrorismo e genocídio com flores, haja vista, a espada ser justiça de Deus para os malfeitores. Há milhares de extremistas do ISIS espalhado no mundo, não dá para catequizar todos e fazerem mudarem de mentalidade.

Muitas vezes situações extremas pedem medidas extremas, senão muitos inocentes morrem. Mas também que haja moderação em casos e casos. Dá pra tratar a pão de ló pessoas que tem por "vocação" decapitar infiéis?

A ação parece ser louvável devido a clemência, mas uma certa; se o ISIS chegarem eles não terão o mesmo tratamento e mais pessoas inocentes irão morrer!

Também tem que se avaliar que nem tudo que é filmado pode ser real, nem tudo divulgado nos jornais é situação concreta em si mesmo. Tudo isso pode ser faixada para fins políticos; para os rebeldes receberem mais subsídios ocidental, para escaparem do status de "desumanos" depois que colocaram os alauítas na gaiola para se protegerem dos ataques aéreos russos e assim vai. Muitas coisas que chegam até nós nesses fenômenos históricos nunca vêm com agenda aberta.

Como disse Ésquilo: "Em uma guerra, a primeira vítima é a verdade".

Link do vídeo: YHN

EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

Nenhum comentário:

Postar um comentário