quarta-feira, 25 de novembro de 2015

TEOFOBIA NOS PÚLPITOS- AMOR E COMPAIXÃO SÓ NA TEORIA


Uma graça cheia de condições é o estopim de toda neurose culposa e carregada de perturbações. A coisa mais fácil (e útil) que se possa fazer num sistema de dominação é chantagear pelo medo sob a áurea do amor e bondade.

Em nome desse amor tão pregado é que se vê pessoas com medo do Amor em Pessoa; justamente porque esse amor á avaliado segundo os traumas de cada um. 

O que se adoram por Deus entre muitos, na verdade é adoração de si mesmo para suas vontades, e quando muito, um espectro mítico que um dia há de julgar a terra e colocar seus erros num telão para o céu, a terra e o inferno rirem.

Em muitas igrejas, as pressões psicológicas chamadas de sermão exercem tanto impacto que a motivação pra orar são as forças do mal e não o amor.
Se é pregado um Deus obsessivo, nada mais óbvio que gerar pessoas com delírio persecutório cuja fé é regulamentada pelo medo; são os filhos da teofobia.
Para muitos pregadores Jesus está moldado aos seus temperamentos e até seus traumas pessoais; onde Deus é um ansiolítico, seu culto a bajulação e seu galardão o reconhecimento deste mundo.

Assim como há uma certa tendência nos seres humanos ao fanatismo, também há um grande fraco em nós por querer se autojustificar. A negação da graça divina é a voz mais sutil da serpente no inconsciente dos homens, haja vista, todas as religiões terem a premissa da meritocracia pagã em agradar em agradar seu deus.

Será que é necessário tocar o terror para ser ouvido? Quando mais em se tratando de um assunto tão singelo que é o amor revelado para a humanidade? Os maiores responsáveis pelo medo a aversão a Deus é justamente àqueles que têm a pretensão de portar a mensagem e a canalhice em chamar de amor!

Não existiria o supersticioso pavor pelo demônio senão pela boca dos que o promovem neuroticamente. Para esses, a força propulsora para buscar a Deus não é nem o amor e gratidão, mas sim o leãozinho que anda ao derredor (isso porque o maligno não lhe toca, imagine se tocasse!)

As verdadeiras mensagens do evangelho trazem liberdade! Onde está o Espírito há liberdade! A verdadeira liberdade não induz ao erro, antes traz pacificação pra alma em meio aos nossos erros!

A liberdade em Cristo promove na consciência arrependimento e não neurose culposa, abaliza a psiquê e não traz complexidades e medos escatológicos.

A libertação está no absurdo do Deus encarnado, no castigo (não em mim) que me trouxe a paz, no grito de "Tetelestai" pelo Inocente!

A verdadeira relação com Deus desdemoniza a vida, humaniza o que foi satanizado pela religião e faz apostatar da sistematização do amor na teofobia - tão vigente em nosso meio.

EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

6 comentários:

  1. A igreja peca por falta de conhecimento; na falta de argumentos tenta moldar o Evangelho às suas necessidades e achismos, levando muitos à idolatria, visto que idolatria é tudo aquilo que tira o foco da verdadeira adoração que deve ser voltada somente a Deus pelo único e exclusivo fato Dele ser quem é e não pelos benefícios que pode nos proporcionar.

    ResponderExcluir
  2. Muito boa sua postagem...
    Infelizmente hoje é o que mais vemos nas igrejas, pessoas desenvolvendo depressão, síndrome do panico dentre outros.
    O comentário da Fabiana é verdadeiro, temos a mania de achar o que os outros acham e não buscamos a verdade na fonte, usamos muletas para tentar conhecer a Deus e caímos em mãos despreparadas que ao invés de nos apresentar o evangelho que transforma nos apresenta algo que trás sobre nossos ombros um jugo e culpa acarretando doenças e traumas que levam tempo para serem curados.
    Deus abençoe sua vida Ezequiel, belo texto.
    aproveito para convida-los a conhecer meu blog http://venhaeadore.blogspot.com.br/
    Fiquem na paz!!!

    ResponderExcluir
  3. Isso aí meu amigo, parabéns pelo artigo. Muito interessante a sua colocação para a oração pelo amor e não pelo medo, é a mais usada entre o povo de Deus desinformados e alienados infelizmente, não conhece de forma prática e íntima o Deus que elas servem. A oração é um relacionamento e não um repelente para afastar tudo de ruim, acontece isso também, mas não é o foco principal, a motivação certa. Abraços de Michael Rossane

    ResponderExcluir
  4. A Paz do Senhor meu nobre amigo em Cristo Ezequiel.
    Sempre estou acompanhando seus artigos.
    ...eis mais um texto para se ler e refletir!

    Um forte e fraterno abraço.

    Pastor Ismael

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pela postagem, Ezequiel. Muito boa!

    ResponderExcluir
  6. Parabéns, Ezequiel!

    Chama isso de "terrorismo da fé".

    ResponderExcluir