domingo, 14 de junho de 2015

ESCRAVIDÃO E TORTURA NA ARÁBIA SAUDITA (COM VÍDEO)


Normalmente são nos países fechados que acontecem grandes atrocidades aos Direitos Humanos e todas as dignidades são quebradas. Bom exemplo disso é na Coreia do Norte onde  qualquer sinal de oposição política é tratado na base do fuzilamento, também neste país há campos de concentração onde milhares de cristãos (em sua maioria protestantes) vivem uma vida pior do que cães.

Outro exemplo é a China onde se aproveita dos seus bilhões de cidadãos para o barateamento da mão-obra em detrimento de seu grande rendimento externo e crescimento econômico... mas não é isso  que interessa agora, é outro...

Pulando de um flagelo mundial (o comunismo) para outro flagelo (o islã fundamentalista). Na Arábia Saudita, regido pelo Wahabismo (uma das vertentes sunitas do islã) há muitos casos de escravidão de pessoas africanas, de abusos e de todos os descaso ao próximo como semelhante.

Já basta o regime feroz da Arábia que penaliza com a morte quem entrar com alguma literatura no país que não seja a islâmica, também há muitos julgamentos defasados com penas cruéis como no caso da decapitação de uma mulher (link ao final do post). Agora cresce esses casos de desvalorização do ser humano.

Estima-se que cerca de 1,8 milhões de mulheres estão em cativeiro. Muitas delas são vítimas de abuso sexual, chicoteamento e outras tortura como o fato de serem queimadas pelos seus senhores. A foto do início do post é de uma jovem filipina de 23 anos queimada pelos seus senhores sauditas.

O vídeo linkado abaixo "live leak" se trata da tortura de uma escrava etíope por uma família árabe. Por sorte essa mulher conseguiu ser resgatada pela Rescue Christians, orgão que socorre cristãos perseguidos. O fato que ajudou na libertação da mulher é que a família árabe soube que os parentes da mulher moram em comunidade muçulmana... o que denota plena intolerância mais religiosa do que étnica.


Link do vídeo: LIVE LEAK
Fonte: RESCUE CHRISTIANS

EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

Nenhum comentário:

Postar um comentário