sábado, 2 de maio de 2015

LIBERDADE DE EXPRESSÃO, PRA QUE TE QUERO?


Assim como não é difícil instalar um regime totalitário na versão socialista (cujo andamento está avançado no Brasil), também não nada difícil implantar na versão islâmica (Sharia) em países de regimes democráticos. Basta fazer bom uso do politicamente correto pra corroer todas as liberdades tão duramente conquistadas.

Com incondicional subserviência das esquerdas, o lobby muçulmano está se aproveitando das políticas sociais que visam criminalizar opiniões e crenças que subjetivamente podem ferir a comunidade denotam o que chamam de "islamofobia"; dessa maneira, ninguém poderá exercer a liberdade de discordar deste movimento ressaltando as perspectivas negativas baseados nos países que tem o islã como religião oficial.

Mas o que era ruim, fica pior! O Partido Trabalhista Britânico vai mais longe. Nessa retórica vitimista quer proibir não só opiniões contrárias ao islamismo, mas também, discussão sobre essa religião e até o proselitismo em muçulmanos! Expandindo assim a definição de islamofobia.

A comunidade muçulmana é muito forte na Inglaterra e tem grandes chances de oferecer impacto na política na terra da rainha.

Para se ter ideia do que povoa na mentalidade de muitos muçulmanos, da ideologia do califado universal, transcreverei a opinião de um pregado islâmico de influência na Europa a respeito da votação e democracia com a vontade de Alá:

"A democracia é um sistema pelo qual o homem viola o direito de Allah e decide o que é permitido ou não para a humanidade, baseada unicamente em seus caprichos e desejos.

O Islã é a única solução real trabalhando para o Reino Unido. É um sistema abrangente de governação onde as leis de Allah são implementados e a justiça é observada."

Percebe-se a pretensão? Se apresentam como a única saída para salva a Inglaterra das injustiças... e que o deus Allah tem direitos! Além de afrontar o sistema de governo do país que os receberam!


Fonte: INSTITUTO PEDRA
EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

Nenhum comentário:

Postar um comentário