domingo, 4 de janeiro de 2015

O CACOETE MENTAL DO "CRIME DE ÓDIO" NO BRASIL

(Sheherazade, Bolsonaro, Marisa Lobo e Malafaia. Alguns dos personagens conservadores que sofreram ataques da patrulha ideológica esquerdista por meras opiniões.)

Ontem no dia 03/01 assisti na Rede Band um filme que não me interessei em saber o nome, porém assisti até o fim; me interessei pelo filme porque se tratava de uma ditadura mundial após um colapso apocalíptico de guerras e injustiças humanas. Essa ditadura controlava as emoções, comportamentos, opiniões e até os sentimentos - lembrava até o "Admirável Mundo Novo" de Aldous Huxley onde as pessoas tomavam a pílula do humor cujo os sentimentos das pessoas eram tiradas se tornando manipuláveis.

Sem querer flertar com teorias de conspirações ou mesmo em alarmismo de uma possível ditadura em andamento, não seria difícil crer que o desejo de permanência no poder faz o ser humano cair em estágios degradantes na moral política (vide século XX) onde tudo é motivo pra controle, coerção e repressão.

Não pense que estamos num mundo mais organizado ou civilizado, muito pelo contrário! Da mesma forma que no passado, existe pessoas sedentas de poder e dispostos a fazer qualquer coisa. Engana-se quem pensa que somente dinheiro é tudo na vida! Pra quem tem o dinheiro suficiente, o que lhe resta senão o poder?

Basta olhar como os ex-presidente do Brasil Luís Inácio Lula da Silva disse que "faria o diabo pra ganhar as eleições" e como o seu partido usa de métodos desonestos e até criminosos pra se manter no poder. Muitos métodos são usados de forma assimétrica no Brasil para a esquerda continuar no poder; entre muitos, está a o domínio da linguagem.   

A eliminação de opositores é uma característica elementar de socialistas e comunistas haja vista serem antidemocráticos em todos os aspectos - até em meras opiniões. Foi assim na Rússia, China, Cuba, Coreia do Norte enfim, em todos os países desse regime; e não há de ser diferente do Brasil. O que acontece é que como aqui ainda temos uma democracia - mesmo que capenga - ficaria muito desastroso essa ação repressiva além de sujar a imagem do país perante o mundo no mero fato de perseguir e expurgar as forças conservadoras; por isso, é necessário usar "meios legais" ou proporcionar esses meios para neutralizar os focos de resistência começando pelos articuladores de opinião, ativistas conservadores e influenciadores de massas.

O pretexto mais usado desde o início das revoluções no mundo é a justiça social, igualdade, liberdade dos oprimidos, direitos humanos e outras idealizações que não passaram de meros instrumentos para se chegar ao poder. Porém, há um novo preceito revolucionário usado como instrumento de "repressão pacífica" pelo establishment no Brasil que já ganhou corpo nacional: O "crime de ódio".

Baseado nos combates aos preconceitos, fobias, intolerâncias e violências simbólicas muitas ong´s, movimentos sociais e partidos políticos promovem a circulação desse jargão para conscientizar a todos que se sentirem "agredidos" verbalmente, filosoficamente ou moralmente a denunciar seus "agressores" por crimes de ódio.

Na foto do início estão algumas pessoas que não se renderam a esse sistema opressor e continuam a ter coragem pra manifestar opiniões e expressar claramente suas convicções conservadoras mesmo em meio a muita repressão de várias espécies.

Rachel Sheherazade foi silenciada pela comunista Jandira Feghali do Partido Comunista do Brasil (PC do B) pela sua opinião ao dizer ser "até compreensível o fato de amarrarem um deliquente no poste", Jair Bolsonaro é processado e perseguido por inúmeras opiniões e ultimamente por ter dito que não estupraria Maria do Rosário (que o chamou de estuprador antes) por que não merece, a psicóloga cristã Marisa Lobo teve seu registro cassado pelo Conselho por fazer declarações cristã a respeito da sexualidade em redes sociais e o pastor evangélico Silas Malafaia e outros que por muitas vezes sofre as revezes dos grupos de repressão social e político.

Em todos, praticamente todos, está a perícia dos comunistas no domínio da linguagem como técnica de enganação populista, ao mesmo tempo que propagam a difamação daqueles que representam qualquer tipo de ameaça ao seu regime. A indústria da difamação serve pra diminuir o prestígio de tais pessoas neutralizando suas articulações. Se ridicularizar os conservadores automaticamente serão ridicularizados todos os que são das mesmas opiniões.

Toda essa conjuntura de ações persecutórias aos conservadores são fundamentadas nas ambiguidades das interpretações enquanto favoráveis, e no silêncio quando são prejudiciais ao seus interesses... e tudo isso com a cumplicidade da grande mídia, exemplos: 

O mundo caiu em cima de Rachel Sheherazade pela sua opinião, pois pra eles ela incitou o linchamento, no entanto Ricardo Boechat incitou e aprovou de forma direta o vandalismo e ninguém disse nada ou o processou por tais opiniões.

O caso de Jair Bolsonaro beira a psicose feminista. Ele disse à Maria do Rosário "Ainda que fosse um estuprador, não estupraria você porquê NÃO MERECE!); bom, estão todos contra ele sendo que Maria Rosário o difamou de estuprador e ninguém vai atrás dela pedindo explicações. Mesmo Bolsonaro tendo projetos de leis contra o estupro e Maria do Rosário favorecendo criminosos chamando-os de "vítimas da sociedade".

A psicóloga Marisa Lobo teve seu registro de psicóloga cassado entre outras coisas, pelas suas declarações em redes sociais que feriram o movimento LGBTT. O Conselho de Psicologia, autarquia fortemente aparelhada por tal movimento, considerou psicóloga preconceituosa e homofóbica. Isso porquê as redes sociais são contas particulares sendo um espaço privado e de inteira liberdade pessoal dela. Aproveitando a deixa, eles contrariam o fato dela ser possivelmente usar a fé cristã em seus consultórios...no entanto, eles não reprimem ninguém que a hipnose (prática esotérica e espírita) nas suas clínicas!

Quanto ao pastor Silas Malafaia eu ficaria muito tempo citando os muitos casos nessa guerra cultural, mas citarei um que espelha melhor a mentalidade psicótica revolucionária para coibir as liberdades individuais. Certa vez ele criticava o uso das imagens de santos nas paradas gay no Brasil até que ele pediu para os católicos se manifestarem contra e usou o termo "sentar o cacete". Todo o movimento usou essa maneira de falar como incitação à violência, crime de ódio e etc., e não quiseram nem saber se era modo de dizer. Eles levam as palavras literalmente quando lhes convém, ao mesmo tempo que se sentem autorizados a chamarem os conservadores de homofóbicos, machistas, fundamentalistas e etc e ficarem impunes.

Essa é apenas um pouco do universo de atividades que promovem guerra cultural e social que visa fins políticos. No Ocidente não há espaço para lutas armadas intento de tomar ou permanecer no poder; então usasse o aparelho burocrático, movimentos sociais, ideologia de gênero, grupos violentos (MST, Black Blocs etc) e outros para tolher as liberdades de expressão, opinião, consciência e até crença.

É interessante que se pregam justiça social mas em contrapartidas aumentam os impostos do trabalhador, falam-se em direitos humanos mas beneficiam somente aqueles que matam humanos deixando as vítimas a mercê da criminalidade e lutam contra o tal "crime de ódio" como pretexto de reprimir pensamentos independentes.

Esses e outros vícios mentais enganam a maioria por evocar um sentimento superior de humanidade de ajuda aos fracos e amparos aos oprimidos. Mas se percorrermos pela História corretamente contada, veremos que todos aqueles que chegaram ao poder pregando tolerância, justiça social, igualdade, direitos do trabalhador e combate ao ódio foram os que produziram os maiores flagelos da humanidade.

Bem disse Jesus que o mundo jaz no maligno, cujo a enganação é senso comum em todo o mundo.

EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

Nenhum comentário:

Postar um comentário