domingo, 31 de agosto de 2014

EX-GAYS: "MAIS HAVEIS SIDOS LAVADOS, SANTIFICADOS E JUSTIFICADOS!



Alguns sonham em ser travestis. Outros tornarem-se do sexo oposto. Nós apenas sonhamos em ter mente e corpo em sintonia. Olha a frase de um colega querido. Acabou de enviar. É o sonho dele. É o sonho de muitos. A homossexualidade está na mente, e pode ser tirada de lá. Não é fácil como tornar-se gay, que precisa apenas de uma experiência. Como já dito aqui nesta página é necessário um refazer do pensar. José, estamos contigo! Se nós conseguimos você vai conseguir. Se é o seu sonho, enfrente todos os obstáculos cara. - PÁGINA O EX-GAY


Do que adiantaram todas as pessoas que você dormiu. Todas as orgias que você participou ou festinhas particulares. Todas as pessoas com quem você passou a noite e todas as lembranças se no final das contas, foi puro momento. Você entregou seu corpo! Aquela pessoa que dormiu com você dormiu também com mais outras e você ficou como somente mais uma na lista que ele/ela cita para os amigos "eu dormi com aquela/e ali também". Foi somente mais uma noite! Mais uma transa casual. E aonde estão aquelas pessoas agora? Elas ficaram com algo seu: sua intimidade. E aí? Valeu a pena essas pessoas sendo que você continua só?

Se dê valor! - PÁGINA O EX-GAY




MAS HAVEIS SIDO LAVADOS!
MAS HAVEIS SIDO SANTIFICADOS!
MAS HAVEIS SIDO JUSTIFICADOS!



É O DEUS QUE MUDA A HISTÓRIA DE UM HOMEM... SE PRA MELHOR OU PIOR OBSERVE A FOTO E VEJA O QUE ELA PASSA!


EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

MUÇULMANOS MATAM 18 CRISTÃOS NA NIGÉRIA

                                         
       
Muitos casos de perseguição religiosa se torna de difícil interpretação ou reconhecimento como martírio na forma pura do termo. Isso se dá devido ao fato que muitas ocorrências estão misturados à questões étnicas ou seculares - coisa semelhante aos iraquianos da etnia curda com os sunitas islâmicos.

No estado de Plateau, Nigéria, 150 muçulmanos armados invadiram mataram 14 pessoas (todas cristãs), incendiaram 15 casas. A aldeia cristã é composto por membros da Igreja Unidas por Cristo.

O Reverendo Sonja Bewarang (foto), presidente da Associação Cristã da Nigéria, confirmou as morte e as casas queimadas.

"É triste constatar que a ONU não achou necessário enviar ajuda para melhorar a situação dos órfãos e viúvas vitimados dos ataques dos muçulmanos extremistas" disse Olivia Dazyem - Comissária de Estado na Gestão de Conflitos.

O nome do grupo islâmico radical que está atacando muitas comunidades cristãs, além do Boko-Haram, é Fulanis - grupo terrorista que declarou jihad contra todos os cristãos em várias partes da Nigéria.

O número de cristãos martirizados por sua fé por muçulmanos radicais passam da casa dos mil e quinhentos - sem mencionar muitos casos de desterro das aldeias, ataques terroristas em cultos e missas, feridos...e o pior de tudo: A ineficiência do governo na segurança deles, desatenção e falta de vontade em tomar medidas energéticas contra os vândalos que lutam em nome de Alá.

Fonte: MORNING STAR NEWS

EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

O ESTADO ISLÂMICO E O CORÃO REPENSADO


A crueldade bárbara do Califado coloca o Islã para o teste 

A violência sanguinário e dramático do Estado Islâmico reuniu-se com a condenação morna, mas acima de tudo, o silêncio do mundo muçulmano. As causas: um sistema educacional que rejeita o pensamento crítico em detrimento da memorização; uma religião que paralisa a razão e a inteligência (como os próprios muçulmanos estado). A crueldade hedionda do antigo Isis vai contra o Alcorão e a vida de Maomé. Mas são o húmus no qual a violência "em nome de Deus" parece justificada. Islã precisa ser profundamente renovada através de uma transformação radical do método educacional.

A mídia social é inundado com imagens que descrevem a violência absurda e cruel do Estado Islâmico (IS) militantes ligados ao Califado declarada por Abu al Baghdadi Bakhr no final do mês de Junho, na Síria e no Iraque. Diante de tal violência além de todos os limites da humanidade, o mundo muçulmano está reagindo com condenação formal, mas acima de tudo com o silêncio.


Tímidos protestos do mundo islâmico

O derramamento de sangue, assassinatos em massa, decapitações, parece suscitar resignação e fatalismo: "não podemos fazer nada", "eles são bandidos", etc ...

A violência da guerra em Gaza também ganhou as manchetes. Quero salientar a diferença no comportamento dos judeus para Israel e dos muçulmanos para IS. Nas últimas semanas, recebi uma dúzia de petições dos judeus norte-americanos que criticam Israel: isso revela uma consciência viva e norma cultural de auto-crítica.

Educação islâmica: Memorize, nunca critique

Um hábito domina o mundo islâmico: A ausência de qualquer forma de crítica ao seu governo em favor de uma aceitação cega de tudo. Se tomarmos um país médio, do ponto de vista cultural, como o Egito, qualquer forma de governo é simplesmente aceito sem críticas por parte da população - com a exceção de alguns elementos, tais como jornalistas ou intelectuais. Mesmo na família tradicional é impensável a questionar os pais. Por um lado, isso garante o cumprimento, mas a outra que reprime o pensamento crítico.

O mesmo pode ser visto na escola: não há educação para o pensamento crítico positivo, para debater como uma maneira de discernir.

Educação no sistema islâmico é baseado principalmente na memorização, em primeiro lugar do Alcorão. O Corão não é discutido, é memorizado e repetido uma e outra vez, até que seja aprendida de cor. É a Palavra de Deus que se tornou um livro. A fórmula islâmica é que o Alcorão "desceu" (nazala) de Muhammad, que transmitiu-lo como ele é. Não foi "inspirado" que foi "transmitido" a "inspiração": em outras palavras, o Alcorão não é pelo profeta Muhammad, que vem diretamente de Deus, o profeta é apenas o meio de comunicação.

No Egito, a educação islâmica de crianças no Kuttab (escola islâmica) é feito à custa de golpes para incentivá-los a memorizar o Alcorão. O que é verdade no Corão, é transferido para a filosofia: estudantes universitários aprendem páginas inteiras - talvez anotados pelo professor - de cor e recitá-los e nos exames.

A Primavera Árabe não deu início a uma nova realidade

Nem mesmo a Primavera Árabe, apesar de ser um exercício de crítica, não sabia como seguir em frente depois de derrubar o ditador do momento. Em vez disso, o poder foi tomado por grupos mais organizados como os salafistas e a Irmandade Muçulmana, que eliminou o partido único da ditadura, para substituí-lo com outro partido único - desta vez islâmico.

No mundo árabe, não há nenhum movimento real para o diálogo, confronto ou desenvolvimento social. Não há debates, conferências, discussões sobre a questão da modernidade, uma questão que assombra o mundo muçulmano. Em um 1-1 nível um indivíduo irá dizer-lhe a sua opinião, mas isso não foi capaz de resultar em um pensamento organizado ou expressaram publicamente.

Outro exemplo: a cada ano durante o Ramadã no Marrocos, alguns ativistas jovens deliberadamente permitir-se ser apanhado pela polícia comer e beber durante o jejum horas. Em seguida, são colocados na prisão. Este grupo é constituído por uma dezena de jovens que fazem este protesto a cada ano. Mas ninguém discute isso: não é preciso dizer que o que o governo faz é certo e que está tudo bem.

Isso explica por que na frente das execuções horríveis realizados pelos militantes seja, a população árabe permanece em silêncio. Obviamente, a população em geral é contra a violência, mas prefere permanecer em silêncio. É uma forma de silêncio religioso!

A renúncia do intelecto

Para os jovens que competem a assinar-se até o IS, as coisas são um pouco diferentes: eles são atraídos para o poder, a violência e vitórias militares. Eles vêem o fundamentalismo violento do IS como uma resposta forte, decidida e eficaz para a imobilidade da sua sociedade.

Os vídeos postados on-line, chamam os jovens abraçar retrata meninos de 10-14 sendo treinados em seus acampamentos. Colocado face a face com esses horrores de que são ambos testemunhas e potenciais perpetradores, como é possível que a sua natureza humana não se levantam em rebelião? Provavelmente porque eles fizeram lavagem cerebral.

Estes jovens têm sido drogado por uma religião que acredita-se estar acima de todas as críticas, a ser a única coisa importante em suas vidas.

A realidade é que eles renunciam seu intelecto para a palavra "religião". Hamed Abdel Samad, o quinto filho de um imã egípcio, com a idade de 23 partiu para a Alemanha, onde vive até hoje. Seu primeiro livro fala de sua "conversão" não ao cristianismo ou qualquer outra religião: ele diz que teve de fazer uma conversão do islamismo para inteligência. Ele era um prisioneiro do Islã e com falta de inteligência e reflexão. Sua auto-definição, que ele repete muitas vezes, é tellingt: "Ich bin zum Wissen vom Glauben konvertiert" (eu me converti, de fé em conhecimento).

As religiões monoteístas e violência

Várias pessoas acusam as religiões monoteístas de ser uma fonte de violência e intolerância. Esta afirmação parece especialmente verdadeiro no caso do Islã; em outras religiões (cristianismo e o judaísmo) é muito menos clara. Atualmente, a dominação total do Corão e da religião islâmica no indivíduo, leva ao medo de dizer ou fazer qualquer coisa contra o Alcorão. Além disso, a sentença mais severa que existe no mundo islâmico é blasfêmia dizer nada contra Maomé ou o Corão pode levar à pena de morte. Mesmo Hamed Abdel Samad, o intelectual egípcio que emigrou para a Alemanha, foi condenado a fatwa por blasfêmia, ao falar com alguns meios de comunicação, enquanto ele estava no Egito, há dois anos.

No Paquistão, a blasfêmia é um dos crimes mais comuns, para qualquer palavra considerada uma ofensa ao Alcorão ou o profeta do Islã. Isso inclui até mesmo danificar as páginas do livro do Corão. No ano passado, no Egito, durante o regime da Irmandade Muçulmana, dois rapazes foram presos por supostamente terem urinado em folhas do Corão. Descobriu-se mais tarde que a acusação era falsa.

Alguns citam o exemplo da Bíblia e as muitas expressões que incitem à violência nele, como prova em um argumento. Mas eles esquecem que estes são documentos e padrões estabelecidos mais de 3000 anos atrás, e que os judeus não têm aplicado há séculos!

Pensamento islâmico está paralisado

Tudo isso paralisa a mente e, portanto, ninguém se atreve a arriscar qualquer coisa sobre a figura de Maomé, ou sobre os aspectos religiosos, porque o risco é enorme, se são comprovadamente erradas.

Este efeito paralisante decorre de dois elementos: um de adoração inquestionável para a sua religião, que é tabu; o outro de uma total falta de sensibilidade crítica.

Um exemplo: o Corão dá ao homem o direito de se casar com até quatro esposas. Mas Maomé casou-se com um número indefinido, que varia de 11 a 17 (ou mesmo 21), dependendo se você incluir suas concubinas ou não. No entanto, ninguém se atreve a comentar sobre esta discrepância. A resposta é: Ele é o profeta e, portanto, está fora das regras.

O caráter sagrado de Maomé - embora considerado como um homem comum, tendo recebido a última mensagem de Deus para a humanidade - e do caráter "divino" do Corão impedir que a grande maioria dos muçulmanos de abordá-los com as regras ordinárias de raciocínio. Além da fórmula do referido Hamed Abdel Samad: "Ich bin zum Wissen vom Glauben konvertiert".

O conceito material da revelação corânica

Eu sempre digo aos meus alunos que o Alcorão, como todos os livros sagrados, deve ter sido escrito por um homem. Este é um fato simples; você nunca viu um livro escrito por um animal, um anjo ou o próprio Deus, mesmo que a Bíblia diz que as Tábuas da Lei foram escritos pelo dedo de Deus.

No entanto, é impossível obter o consentimento dos muçulmanos sobre isso porque eles acreditam que o próprio Deus é o autor material Corão. Até os meus alunos cristãos diria que o autor do Evangelho é Deus, mas depois tenho que admitir que os Evangelhos tem dois autores, desde o início eles estão "de acordo com Mateus, Lucas, João, etc ...". O Espírito desperta, inspira, empurra, mas o escritor é Mateus, Marcos, Lucas, João. Isso é o que chamamos de "inspiração". O evangelista escreve com seu estilo próprio, que pode ser identificado linguisticamente, mas o conteúdo é sugerido a ele pelo Espírito de Deus. Jovens muçulmanos estão intrigados com esta abordagem e mostraram um interesse especial nele. E quando eu pedir-lhes uma conclusão sobre o Corão, a sua resposta é: tudo é diferente para Mohammed. O anjo Gabriel desceu e ordenou Muhammad para ler e recitar o Alcorão. Ele era apenas um porta-voz do material. A aplicação da Sharia

Outro exemplo de paralisia: uma vez um professor muçulmano, fez uma pergunta de seus alunos: "Você concorda que aqueles que roubam devem ter sua mão cortada, e se eles roubam de novo ter o pé oposto cortar?" A resposta foi: " Isso é o que o Alcorão diz ". O professor voltou: "Mas você concorda?" Sua resposta: "Isso é o que o Alcorão diz, e você não pode mudá-lo".

O professor então pegou um por um e perguntou: "Mas se você fosse o juiz, você decidir cortar a mão de ladrão, mesmo que ele era um garoto que tinha cometido um erro?". Sua resposta: "Essa é a lei (Sharia)." Eles não se atrevia a dizer sim ou não, eles se refugiaram na lei. Então ele perguntou o mais talentoso deles: "Você, você faria isso?". Mas, mesmo que o aluno se recusou a responder, dizendo: ". Eu não sou um juiz, e não é o meu trabalho"

Quando você entra no domínio da religião, há uma paralisia do pensamento, do intelecto. Como se a religião não pertencem à esfera humana, mas deve ser julgado por outros critérios. E é isso que tem sido transmitida ao longo dos séculos. Claro, no passado e ainda hoje, tivemos revolucionários religiosos, mas eles têm sido marginalizados pela imprensa, pelas assembleias e a mentalidade comum em nome da conformidade.

A Declaração Islâmica dos Direitos Humanos

Esta paralisia é também visível em um nível global. Após a Segunda Guerra Mundial, em dezembro de 1948, a ONU elaborou a "Declaração Universal dos Direitos Humanos", que lista as regras para garantir um respeito comum para as pessoas, para os homens e mulheres; mas o mundo muçulmano nunca aceita.

Mesmo as pessoas altamente cultas rejeitou-os como de estilo ocidental "direitos cristãs". E tiraram três edições diferentes da sua própria: "Declaração dos Direitos Humanos Islâmica Universal" o (Paris, 19 de setembro de 1981), a "Declaração dos Direitos Humanos no Islã" (Daca, dezembro de 1983) e da Declaração "Universal dos islâmica Direitos Humanos "(Cairo, 05 de agosto de 1990). Todos eles são baseados na lei islâmica Sharia. É de notar, contudo, que nas traduções ocidentais, não há nenhuma menção de "Sharia", mas de "lei", geralmente na fórmula ", enquanto ele está em conformidade com a lei", que induza o leitor desinformado.

Estes projetos referem-se aos princípios da Declaração Universal, mas, em seguida, submeter o direito de exame sob Sharia. Isso resulta em um cancelamento da igualdade entre homem e mulher, entre muçulmanos e não-muçulmanos, e assim por diante.

Violência Exército Islâmico vai acima e além do Alcorão e Maomé

A natureza absoluta do sagrado, como discutido acima está presente nos militantes de SI. Eles não se preocupam com os direitos humanos dos palestinos, pobreza, etc ... A única coisa que eles querem é estabelecer um estado que seria "islâmico", dirigido por um califa, que é um "sucessor" de Maomé, cujo modelo é Mohammed e o que está escrito no Corão. Este caráter absoluto deixa uma mão livre para fazer o que querem.

É preciso dizer, no entanto, que a IS vai bem para além do Alcorão e Maomé. Em Mosul, Qaraqosh e na Síria têm afugentado os cristãos e os forçaram a se converter ao Islã ou encarar a morte, se eles queriam ficar.

Muhammad não fez isso para cristãos e judeus, mas para os pagãos. Eles podem escolher entre converter ao Islã ou fuga. Cristãos e judeus, por outro lado foram autorizados a viver ao lado de muçulmanos, mas pagando um imposto duplo: um no chão (o kharaj) e o outro porque "protegeu" (o gizya). Em vez disso, é tem mesmo rasgado os sinais cristãos dos edifícios, indo além dos ditames do Corão, e tem marcado cada casa cristã da letra Nun, a primeira letra da palavra Nasara (nazarenos), que é usado no Alcorão para se referem aos cristãos.

Sua violência (decapitações, crucificações, execuções em massa, roubos, extorsão, seqüestro) não tem nada a ver com o Islã. Na tradição islâmica não se sustenta com esta prática sanguinária. No máximo, no passado, as pessoas punidas por apedrejamento, que ainda hoje é praticado em alguns casos (adultério). Ou aqueles comprovadamente culpados foram executados por decapitação. Mas mesmo aqui houve algum tipo de clemência. As demandas do Alcorão que até os animais que são sacrificados para o Eid-al-Khebir (a grande festa) são tratado com cuidado e morto em um acidente vascular cerebral, de modo a não fazê-los sofrer muito.

Estes militantes assassinam e cortam as gargantas de seres humanos usando facas de hackers em suas gargantas peça por peça, em uma morte brutal e cruel lento. É verdade que Muhammad usado - como todas as nações da época - alguma violência: ataques a caravanas, inimigos, etc ...Mas Maomé não usou crueldade, exceto em alguns casos isolados. Ele também deu exemplos de indulgência.

Reproduzindo o pensamento e o modo de vida de seus antepassados

IS está cometendo um erro fundamental na reprodução das formas de vida dos primeiros séculos do Islã ao pé da letra no mundo moderno. A tradição também é importante para nós cristãos, mas são removidos a partir deles: não tomarmos as coisas escritas por São Paulo sobre o silêncio das mulheres na assembléia, ou a cabeça velada, literalmente, porque entendemos que esses sinais eram normais para a época . Podemos usá-los como uma fonte de inspiração, mas não aplicá-las ao pé da letra.

Além disso, na frente de um cristão que rejeita o cristianismo, podemos expressar alguma tristeza, mas ele ou ela está livre para sair ou mudar de religião. Para os muçulmanos, o apóstata deve ser julgado e até mesmo mortos.

Outra, inaceitável, de erro, é o uso de violência por causa da violência, usando crueldade como um meio de aterrorizar o inimigo. Mas isso também é condenado pelo Islã.

Além do mais, reproduzindo o comportamento físico em uso no século VII não corresponde ao espírito do Islã. A boa tradição islâmica diz que, na aplicação da sharia, você deve sempre examinar os maqāssed (fins) da sharia, relativizando seus métodos. Ao contrário, é preciso interpretar a Sharia literalmente, e usa a violência para a violência 'sake. Isto não é islâmico, é bárbaro.

A distinção entre ética e política

Mas há um problema: o Islã permite o uso da violência para combater os "inimigos de Deus". Esta exigência poderia, talvez, ser compreensível na época de Muhammad quando a causa de Deus foi facilmente atribuível à defesa do território da comunidade islâmica. Mas hoje ...

Tudo isso torna o ensino islâmico ambígua. O problema se torna maior se o exercício dessa violência religiosa é delegada ao Estado. Assim, há um curto-circuito entre a moral e o Estado, o que cria a ambiguidade em que vivemos hoje: todos os países islâmicos têm - em maior ou menor grau - Sharia como um padrão. Mas é a Sharia um sistema ético ou estadual ? É esta confusão (entre a ética e a política ou jurídica) que gera violência.

Vamos dar um exemplo: a homossexualidade. Na maioria das culturas, é visto como uma coisa ruim. Mas é uma coisa a dizer: isso é uma coisa ruim, do ponto de vista moral; é outra coisa que dizer que o homossexual deve ser condenado pelo Estado, mortos ou na prisão.

É direito de dizer quem rouba deve ser punido, porque é um prejuízo para a justiça social, mas para punir aqueles que apenas criticar outra pessoa é incompreensível. Um adúltero se machuca, o casal, seu parceiro ou parceira. Mas você pode declarar que ele ou ela deve ser morto. Estes exemplos mostram que há uma confusão entre a moral e a política, e endossa a escolha de violência.

Deste ponto de vista, o Evangelho é um passo adiante na civilização: nele, Jesus nunca fala de um castigo humano, religiosamente justificando leis sócio-político.

Em vez disso, tudo está em um impasse no Islã, porque os muçulmanos acreditam que sua religião é a perfeição absoluta.

Conclusão: o Islã precisa ser repensada

O brutal é a violência levou a condenação de muitas figuras e instituições islâmicas. Arábia Saudita, Tunísia, Turquia, etc falaram. Mas o que isso mudou? As declarações da Arábia Saudita nunca chegam a abordar a questão fundamental que a religião não deve promover a violência. Em vez disso, a Arábia Saudita faz uso da violência justificada pela religião, em especial a aplicação das punições previstas pela Sharia.

O ponto é que todas as religiões devem ser repensados ​​para o tempo presente. Mas trata-se de questionar a "razão" da lei, mantendo esta razão ao mudar meio desatualizados. Em certo sentido, essa dialética entre a razão e a lei é semelhante à pergunta Paulina de letra e ao espírito: "para a letra traz a morte, mas o Espírito vivifica" (2 Coríntios 3.6).

Esta etapa exige o diálogo entre intelectuais de várias religiões, que implementa essa diferença entre a lei e o espírito, os ideais e a prática. E então os meios de comunicação devem divulgar suas conclusões. Mas nenhum país muçulmano se atreve a propor uma coisa dessas.

Outro passo que precisa urgentemente de ser tomada é retirar Sharia como base para a lei no mundo árabe. De fato, há Arábia Saudita não tem constituição: sua constituição é a Sharia. E isso é ambíguo: Sharia não é, um texto estabelecido preciso, como os Dez Mandamentos. Ele foi desenvolvido tentando desenhar respostas legais para as necessidades diárias do Alcorão. Por isso todas as idades se adaptou Sharia ao seu tempo. Por volta do século X que o desenvolvimento parou e agora tenta ser feita para interpretá-lo. No entanto, porque as pessoas têm medo de repensá-la, usá-lo da forma mais literal. Mais uma vez estamos diante de uma posição imóvel, exclusivista.

Esta imobilidade leva a manipulação e a injustiça. Por exemplo: onde no Corão podemos encontrar a excomunhão entre sunitas e xiitas? No entanto, os dois grupos - cujas diferenças teológicas são mínimas - praticá-lo com decisão, a exclusão e matam uns aos outros. É uma reminiscência das guerras entre católicos e protestantes de séculos passados, mas agora a situação é muito mais dramática.

O radicalismo, a violência, o exclusivismo presente no Alcorão não justifica a crueldade, mas eles são um terreno fértil para a violência para florescer.

Chegou a hora de repensar o Islã para o homem moderno, a distinção entre Estado e religião, entre ética e política, entre a letra e o espírito. Islã é capaz de fazê-lo, assim como outros grupos sociais ou religiosos têm feito, mas deve completamente e radicalmente reformar seu sistema educacional, e, em especial, a formação de imãs.

De fato, no Ocidente, a ideia de que a religião - e, em particular, as religiões monoteístas - é o portador da violência, parece evidente, embora história moderna demonstra que ideologias ateias ter sido a mais violenta! Basta pensar na ideologia comunista, ou o nazismo, ou ideologia nacionalista do Khmer Rouge, ou a da China anti-religiosa!

Veja. Êxodo 31.18: "Quando o Senhor acabou de falar a Moisés no Monte Sinai, deu-lhe as duas tábuas da aliança, as tábuas de pedra com inscrições pelo próprio dedo de Deus"

Sua biografia, o Kitab al-Maghazi (O Livro da História e Campanha), escrito por al-Waqidi (748-822), fala de mais de sessenta ataques durante 10 anos em Medina. E deve-se dizer que os ataques contra caravanas de beduínos ou contra outras tribos foram quase normal.

Na verdade, não há nenhuma sentença de morte terrena no Corão para aqueles que são apóstatas: só há a ameaça de uma pena severa na vida após a morte!

Extraído de ÁSIA NEWS

EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

SERÁ QUE O HAMAS VAI SER RESPONSABILIZADO PELOS CRIMES DE GUERRA?


Execuções extrajudiciais do Hamas de palestinos suspeitos de "colaboração" com Israel na Faixa de Gaza são um sinal de que o movimento islâmico começa a entrar em desespero diante do sucesso de Israel nesse contra-ataque aos terroristas.

Essa execução pública de mais de 26 pessoas poderiam transformar muitos palestinos com o sentimento antihamas. O grupo terrorista proibiu a publicação dos nomes dos palestinos executados, em outras palavras, o Hamas tem medo que a divulgação provoque indignação dos parentes das vítimas e se levante pedidos de vingança contra os guerrilheiros.

O Centro Palestino dos Direitos Humanos foi o único grupo que se atreveu a criticar o Hamas por fazer muitas execuções públicas na frente de transeuntes, até na frente de crianças. Entre os executados há duas mulheres.

Em entrevista, o líder do Hamas (em seu luxuoso hotel no Qatar) disse: "Não somos um grupo religioso violento". 

As execuções extrajudiciais será adicionado à longa lista de crimes cometidos pelo Hamas contra os palestinos. Mas a questão que permanece é se a comunidade internacional irá responsabilizar o Hamas pelos seus crimes de guerra.

Veja um vídeo em que no final mostra palestinos colocando crianças na frente de morteiros para não receberem retaliações do exército israelense:


Fonte: GATESTONE

EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

A "CONTRARIEDADE" QUE NOS CONSTRANGE



Sendo o excelso fez-se o mais humilde dos homens

Tendo a Eterna Glória no céu fez-se desprezível na Terra

Mais inocente que um bebê foi tratado como mais culpado que o demônio

Sendo a Fonte de toda benção foi o espetáculo da maldição na cruz

Era acompanhado por multidões de dia, mas buscava a Deus a sós de noite

Deixou o legado do amor, mas foi odiado desde que nasceu

Fez um punhado de gente sorrir, mas chorou por toda humanidade

Ele foi o Pão do céu que sentiu fome no deserto

É Água Viva que sentiu sede antes da morte

É o Autor da Vida que experimentou a morte por três dias

É o Sol da Justiça no banco dos réus

Mais sublime que os anjos; tratado pior que os vermes

Viveu só em Israel, mas sua história ecoa nos quatro cantos da Terra

Com três pregos venceu o Império das Trevas

Seu corpo dilacerado envergonhou hostes espirituais da maldade

Seu sangue derramado, de tão vermelho que era deixou nossas vestes brancas

terça-feira, 26 de agosto de 2014

A VERDADE PARA OS DIAS DE HOJE


As atividades e necessidades cotidianas nos levam, de maneira sutil e até inconsciente, a negociar nossa conduta cristã e comunhão com Deus por meio de "pecadinhos" que denigrem nossa santificação e nos traz risco de sermos filhos da desobediência. Muitas vezes a falta de dedicação, devoção e um senso maior de responsabilidade para com o Reino de Deus pode reduzir o nosso ímpeto de querermos fazer sempre o melhor... somente Deus nos capacita para sermos verdadeiramente servos até o fim!

O grande mal que acompanha o ser humano é a prática (motivado por inúmeros interesses ocultos) da mentira. Sabemos que o Senhor repudia, rechaça e abomina a mentira em todos os aspectos - é antagônico a sua própria natureza - haja vista, ser impossível que Deus minta!

Toda a história das quedas: dos anjos maus e da raça humana tem o tempero da mentira no ar e isso foi transferido para a conduta humana.

A mentira em qualquer circunstância (seja imitada, impulsionada ou inspirada) reduz a consciência moral, defasa internamente a escala de valores permitindo a prática de outros pecados gerando outros erros... Assim como a verdade é a porta para a libertação, a mentira é a porta para a escravidão moral e espiritual!

Para quem quer agradar a Jesus é regra máxima e crucial viver e andar na verdade a qualquer preço - nem que custe a vida! Se uma pessoa não tem coragem de dizer a verdade pra não perder uma amizade, quanto mais para salvar a vida ! E se o que está em risco é a confissão de fé como acontece hoje no Oriente Médio?

Nada além da verdade!

Ter somente a verdade como maneira de vida cotidiana é um desafio enorme (o que já prova em si mesmo que o mundo jaz na mentira), por isso, com dificuldades plena, fica quase impossível ter a verdade como juramento eterno se não tiver como seu Deus o Senhor Jesus Cristo.

Não tem jeito! Se Jesus Cristo, que é a Verdade em Pessoa e Criador de todas as coisas, chamou Satanás de Pai de alguma coisa (a saber, da mentira) é porque realmente a essência mesma da mentira, ou sua originária vem do Diabo. Ele veio para matar, roubar e destruir que são suas ações, porém, a mentira está em seu ser!

"Fora ficam os cães, os que praticam feitiçaria, os que cometem imoralidades sexuais, os assassinos, os idólatras e todos os que amam e praticam a mentira." - Apocalipse 22:15

EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

A SINCERIDADE SEGUNDO OS HOMOSSEXUAIS E O CONSELHO AUTORITÁRIO DE PSICOLOGIA


"Olá Ezequiel, conheci teu blog através da sua postagem no blog do EXGAY ainda não vi todas as suas postagens, mas são bem interessantes, agradeço a Deus por aqui está sendo mais uma ajuda a mim =D" - Homossexual Anônimo

"Bom artigo. Tenho certeza que também vou conseguir me curar disso". - Homossexual Anônimo

"Só queria saber como, como o que te fez largar tudo ? Não consigo :(". - Homossexual Anônimo



"Eu vivo morrendo pelos cantos, não aceito o que acontece comigo, mas não tenho mais forças para lutar! É uma carência estranha, que ninguém pode suprir, conheço a palavra, busco sempre a Deus e espero o dia que talvez ele de fim a minha dor, já me aconselharam a abdicar, trabalho em 2 3 empregos para não ter tempo p pensar, como é difícil passar por isso!!!". - Homossexual  Anônimo 

"Quando eu vejo essas noticias, eu realmente gostaria de me levantar e aplaudir de pé gostaria de acreditar mesmo do fundo do meu coração, mas eu realmente não consigo, mas não é por que eu queira, mas sim pelo fato de eu ser um gay que não conseguiu se tornar um ex-gay e eu realmente não sei por qual motivo não aconteceu comigo, passei quatro anos tentando mudar, chorei feito um condenado, orei a Deus, altas madrugadas, mas eu cansei por que nada mudou, e vendo essas pessoas se dizerem ex-gays como se fosse a coisa mais simples do mundo deixar de sentir atração pelo mesmo sexo, me da um certo incomodo, não pelo fato de eles estarem tentando enganar as pessoas, por que eu realmente não sei se eles estão tentando enganar alguém, o problema é que não tem como provar que eles realmente mudaram, por que se tivesse uma prova de que ser ex-gay é algo realmente possível, eu com toda certeza tentaria mais uma vez, mas eu não tenho nenhuma prova disso, ou vocês acham que eles só por estarem casados são de verdade ex-gays? Não, essa não é uma prova, eles podem simplesmente estar suprimindo seus desejos e fingindo ser um casal pelo menos por parte dele, sem que a parceira ou parceiro saiba que ele ainda sente desejo por pessoas do mesmo sexo, eu não estou criticando, é apenas algo que eu gostaria de entender, eles se dizem ex-gays por que tiveram a ajuda de uma psicóloga, eu tenho varias perguntas, por exemplo:como se da essa cura gay?
O que é necessário ser feito?
 Como é que a pessoa passa a se sentir atraído por mulheres? quanto tempo leva pra que isso aconteça?" - Homossexual Anônimo

Não somente nesse blog, mas centenas de mensagens em outros blogs que tratam desse assunto em vejo comentários de homossexuais insatisfeitos com seus comportamentos enquanto o Conselho de Psicologia que se entrega tanto as causas LGBTT nada faz. Para eles não é o cliente que decide o que é melhor mas sim é o Conselho iluminado que conhece os corações dos homossexuais com sentimentos indesejados... bem disse o Deputado Marco Feliciano "É o único Conselho Federal de Psicologia do mundo que tolhe o direito do profissional de poder atuar. É o único que assusta, que amedronta o profissional e que ele não pode tratar de uma pessoa que o busque quando ele está com uma angústia inferior..."

Cada vez está mais evidente a má administração dessa autarquia além de suas tendenciosidades e militância. Hoje, mesmo com seu registro cassado em perseguição religiosa, Marisa Lobo ainda recebeu a cobrança (abusiva) de sua anuidade sem poder atuar como tal.

Que cresça mais e mais essas sinceras manifestações de homossexuais insatisfeitos e que fique visível a todos o quão esse conselho nada tem de psicologia, mas sim, de ideologia.

EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS



   

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

SINTOMAS DE POSSESSÃO DEMONÍACA NA POLÍTICA


Para conhecer verdadeiramente o caráter de um homem coloque poder nas mãos dele pra ver como se torna. Muitos já têm a megalomania incubado em sua alma, outros escodem sorrateiramente seus sentimentos luciferianos de rebelião ao sistema até que chegue ao topo das hierarquias.

Nisso explica como milhões e milhões de pessoas inocentemente acreditam nas propagandas e promessas de grandes líderes até que se decepcionam ao ver o jugo em que entraram. Como explicar a ascenção de Mao Tse Dong que matou 50 milhões de patriotas inocentes e desarmados, ou Fidel Castro liquidou 100 mil cubanos?

Hoje vemos os discursos mais maquiados, cheios de sentimentalismos invocando muito os direitos humanos, igualdades e etc. Mas nem sempre foi assim; há pouco tempo atrás as coisas em alguns lugares do mundo eram mais escancaradas:

“Precisamos odiar. O ódio é a base do comunismo. As crianças devem ser ensinadas a odiar seus pais se eles não são comunistas.” (Vladmir Lênin)

“Somos favoráveis ao terror organizado – isto deve ser admitido francamente.” (Vladmir Lênin)

“O comunismo não é amor. É o martelo com que esmagamos nossos inimigos.” (Mao Dzedong)

“O ódio intransigente ao inimigo, que impulsiona o revolucionário para além das limitações naturais do ser humano e o converte em uma efetiva, seletiva e fria máquina de matar: nossos soldados têm de ser assim.” (Che Guevara)


"Até agora os camponeses não foram mobilizados, mas, através do terrorismo e da intimidação, nós os conquistaremos." (Che Guevara)

“Aos slogans sentimentalistas da fraternidade, opomos aquele ódio aos russos, que é a principal paixão revolucionária dos alemães. Só conseguiremos garantir a Revolução mediante a mais firme campanha de terror contra os povos eslavos.” (Friedrich Engels)

"Estuprar mulheres brancas é um mérito revolucionário." - Eldridger Claver

“A principal missão dos outros povos (exceto os alemães, os húngaros e os poloneses) é perecer no Holocausto revolucionário... Esse lixo étnico continuará sendo, até o seu completo extermínio ou desnacionalização, o mais fanático portador da contra-revolução.” (Karl Marx)

 “Na verdade, se o próprio Cristo estivesse no meu caminho eu, como Nietzsche, não hesitaria em esmagá-lo como um verme.” - Che Guevara

O que faz indivíduos pensarem e agirem conforme os "ideais" acima senão com o esvaziamento de todos os códigos morais e religiosos, a quebra das tradições duramente conquistados para uma serena ordem social assim como o zelo da dignidade humana?

O pior e mais estarrecedor de tudo é que, em pleno século XXI, em um país relativamente democrático, os autores das frases acima, cujo genocídios praticado excede a catástrofes naturais e guerras da antiguidade são aplaudidos, venerados e levados como exemplos para muitos intelectuais e políticos no Brasil... é só ter uma prosa de 5 minutos com alguém do PC do B, PSTU e PSOL e ouvirá ecos dos mesmos discursos (com boas pintados de bondade, claro) porém,em seu bojo não há nada que promovem liberdades, valores e bases espirituais - coisas fundamentais para a existência de uma nação.


EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS


 

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

CITIZENGO: UM MEIO DE AÇÃO POSITIVO



Nenhum momento da história humana nunca houve ameaças em escala global como está havendo nos séculos XX e XI em todos os aspectos da vida humana e das sociedades livre e independentes. Os movimentos políticos que se fundamental em filosofias relativistas estão tomando conta do cenário mundial engolindo todos os meios de ação do comportamento humano: crenças, economia, religião, cultura, sistemas políticos e toda a cosmovisão construído por milênios de anos... eu disse milênios!

No entanto, com pouquíssimos séculos de revoluções, movimentos de indignados e revoltados bastou para se iniciar uma relativização generalizada de pensamentos e concepções que mudaram inteiramente o curso da história mundial. Criticaram o sistema religioso, levantaram-se contra sistemas políticos, ordem sociais, instituições e etc deixando o mundo como se vê nos dias de hoje.

Segundo o filósofo Olavo de Carvalho os relativismos serviram de navio quebra-gelo para demolir por inteiro resistências por pretextos que nada tinham de relativistas, pelo contrário, eram as mais absolutistas e intransigentes que se podem imaginar. Assim como o laicismo representa nada mais que uma ponte para a troca de cultura religiosa dominante (islamização da Europa por exemplo), a relativização moral representa o caminho certo para as perversões no comportamento humano.

Hoje não vemos somente pessoas reivindicando o reconhecimento de serem homossexuais, vemos agora pessoas pedindo reconhecimentos de cidadãos pedófilos, zoófilos e outras barbáries que estão por vir quando não se satisfazerem mais; o pior de tudo isso é que, por motivos estranhos e espúrios estão se refletindo nas políticas e até em projetos de leis... Como se já não bastasse também os apoios da grande mídia, dos representantes culturais, dos movimentos sociais e também de petições públicas - vêm de todos os lados, o frenético ataque aos conservadores sem chance de respirar ou de se explicar!

E como estamos na era globalizada na rede mundial de computadores, petições virtuais tem grande relevância e papel importante como meio de pressão para aprovação ou revogação de leis; e com certeza essa seria uma área bem explorada pelos luminares de uma "Nova Era". São muitos as petições contra líderes religiosos conservadores, políticos que apoiam as causas da família, profissionais a favor da vida e liberdade de expressão.

No entanto, surgiu uma boa iniciativa de participação política através de petições on-line que é favor da maioria: Citizengo. É uma plataforma de petições públicas que promove as causas de fundamentos cristãos e é claramente contra todos os movimentos de esquerda que ferem o sentimento religioso conservador na maioria dos países de cultura judaico-cristão.

Diferentemente do Change e Avaaz, o Citizengo é a resposta contra esses ataques progressista; até agora é a única resposta global contra a decadência moral e espiritual vinda dos altos escalões dos governos de esquerda.

Este quadro pode ajudar-lhe a comparar as diferenças:

Change.org
Avaaz
CitizenGO
É uma corporação norte-americanaÉ uma associação privada norte-americanaÉ uma fundação espanhola
Seu lucro vem da venda dos correios electrónicos das pessoas que assinam as petiçõesÉ sustentada por doações dos seus membrosSomos mantidos pelas doações dos nossos membros
As organizações que publicam petições em sua plataforma têm de pagar uma certa quantia para ter acesso aos correios electrónicos das pessoas que assinam as campanhasPermite que as organizações que utilizaram a plataforma para fazer uma petição fiquem com os correios electrónicosGratuita. As organizações que utilizam a nossa plataforma para fazer petições podem utilizar os correios electrónicos dos assinantes sem pagar nada.
Defende propostas de esquerda, liberais e ideologia de gênero.






Alérgico a Liberdade.


Defendem o secularismo, adoções por homossexuais, aborto e "casamento” homossexual. 
Defende propostas de esquerda, liberais e ideologia de gênero.





Alérgico a Liberdade.


Defendem o secularismo, adoções por homossexuais, aborto e "casamento” homossexual. 
Somos politicamente independentes. Nosso trabalho baseia-se em uma perspectiva crista. Já fizemos campanhas de crítica a governos de esquerda e direita.

Somos conservadores.


Defendemos a liberdade religiosa, o direito à vida e a família natural.

O Citizengo é um alento que pode da voz aos cristãos de muitas partes do mundo cujo os direitos estão sendo cerceados reduzindo a condição de meros contribuintes eleitores vãos. Trabalha em 7 idiomas e agora está se iniciando no língua russa.

Uma participação interessante do Citizengo foi a petição contra a censura da jornalista de opiniões independentes do SBT Rachel Sheherazade na campanha "Apoie Rachel Sheherazade contra a ditadura do discurso único" que arrecadou 88.960 assinaturas (ver aqui).

Apesar de ter princípios cristãos, Citizengo é a favor de políticas mais justas e coerentes com as necessidades reais das pessoas. Não é partidário e não representa nenhuma categoria política; já fez campanhas contra governos de direita e esquerda - o lema é "Em defesa da vida, da família e da liberdade".

Fonte: CITIZENGO
Fonte: FALSOS RELATIVISTAS
Fonte: LIBERTATUM

EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

domingo, 17 de agosto de 2014

PAPA BEATIFICA 124 MÁRTIRES COREANOS


O Papa Francisco I celebrou uma missão de beatificação de 124 mártires sul coreanos, perseguidos pela Dinastia Joseon; conta-se que mais de 10.000 cristãos coreanos foram assassinados por sua fé entre 1785 à 1882.

O nome mais conhecido desses mártires (representado nos ícones acima) é o de Paul Yun Chung. Ele, assim como milhares de outros cristãos, foram mortos por violar os rituais do confucionismo - religião do Estado na época - por enterrar sua mãe com ritos católicos (claro que isso parece ser um pretexto de perseguição política).

Na cerimônia estava também presente a comunidade protestante que tem grande relevância no país (maior igreja evangélica do mundo) e contou com a presença do pastor Chang que disse: "Estamos aqui, não importa se é católica ou não, eles foram os primeiros mártires da perseguição anticristã da Dinastia Joseon... Paul Yun e os outros mártires são um grande exemplo de que todos nós precisamos ouvir".  

Paul Yun foi martirizado com a decapitação e sua cabeça foi exposta com zombaria ao público.

A marca de sangue sempre foi característica do cristianismo (desde a sua fundação com o sangue de Cristo) e percorre por milênios com o sangue de muitos mártires.

Fonte: ÁSIA NEWS
Fonte: DIOCESE DE CAZAJEIRAS



sexta-feira, 15 de agosto de 2014

MULHER-BOMBA: A NOVA TÁTICA TERRORISTA DO BOKO-HARAM


Em junho surgiu a primeira mulher-bomba; estava montado numa motocicleta foi a um quartel militar quando explodiu seu cinto de bombas matando um soldado.



Essa é uma nova tática confundindo os militares e civis na vigilância das igrejas e prédios do governo local. É o braço feminino na jihad norte africana; muitos especulam que essas novas mulheres-bomba são aquelas moças sequestradas por que maioria são adolescentes.




O analista de segurança pública disse à BBC: "Usar mulheres suicidas é a estratégia mais dramática que uma organização pode usar. Torna-se mais fácil de penetrar alvos porque são menos suspeitas sobre mulheres".

Desconfiam-se também que esse método de terrorismo está sendo usado devido suas ligações com os jihadistas do Oriente Médio como Al Qaeda e Talibã. Segundo dados já houve 11 ataques suicidas na Nigéria entre eles:


  • 08 de junho: Uma mulher de meia-idade chega em uma motocicleta em um quartel militar em Gombe, detonando um explosivo se matar e um policial.



  • 27 julho: Um adolescente com um dispositivo explosivo escondido sob seu véu sopra-se para cima em um campus universitário em Kano, ferindo cinco policiais.



  • 28 de julho: Um jovem se junta a uma fila de querosene em um posto de gasolina em Kano diante de seus detona bombas, matando três pessoas e ferindo outras 16 pessoas.



  • 28 de julho: Um adolescente fere seis pessoas após explosão de seu aparelho em um centro comercial em Kano.



  • 30 de julho: Um adolescente dentro de uma multidão de estudantes em um campus universitário em Kano sopra-se para cima, matando seis pessoas. 

Boko Haram foi categorizado como grupo terrorista em 2013 em todo mundo, já atingiu três milhões de pessoas, assassinou muitos cristãos e atacou muitos policiais. O significado do nome é "A Educação Ocidental é Imoral" e eles desejam implantar um Estado Islâmico no Norte da Nigéria.

Fonte: BBC

EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

AMOR NÃO FINGINDO


A sensação é mais ou menos essa: algo te irrita. Você não sabe o que é, você não sabe o porquê de sentir aquilo, você nem quer senti isso, mas não pode evitar. Aquela pssoa se aproxima e você a abraça sem muita vontade, mal encosta a ponta dos dedos nas costas da pessoa... "Não é o perfume dela." Você pensa, não é isso que te incomoda, mas a voz... ah, a voz dói no seu ouvido, a presença da pessoa no mesmo ambiente te deixa nervoso, com vontade até de ir embora. Mas por que? Ela nunca me fez nada, não que eu saiba... Mas por alguma razão, desconhecida, você não suporta a presença dessa pessoa, e o fato de ter que conviver com ela, sem ter outra escolha, fica mais difícil...

A situação descrita em cima me faz lembrar uma pessoa que não era convertida e costumava descrever isso com a frase: _Meu santo não bateu com o dela... Mas nós, cristãos, temos esse negócio de "santo não bater"? Ao que parece dentro das igrejas acontece muito de irmãos e irmãs muitas vezes não se gostarem, não se suportarem, não terem afinidade nenhuma. Isso é normal? Creio que sim, afinal como já falei em outro texto aqui no blog, todos nós somos imperfeitos, filhos de Deus buscando santidade. E algumas das nossas imperfeições ficam mais difíceis de serem toleradas e até perdoadas por outros membros do corpo. 

A difícil arte da convivência entre pessoas diferentes é algo comum até dentro das igrejas onde as pessoas deveriam amar-se sem acepção.

Mas, se fazeis acepção de pessoas, cometeis pecado, e sois redargüidos pela lei como transgressores.Tiago 2:9

Mesmo sendo pecado fazer acepção e você tendo um coração cheio de amor e paciência, sempre haverá alguém que você não amará tanto assim, mas terá de suportá-la e ouvi-la, e tratá-la com o mesmo respeito e até, carinho que você trata os outros e esse exercício é diário. Orar ajuda...

Não estou dizendo aqui que você deva ser hipócrita, declarando amor a alguém que você não gosta, vivendo cheio de mimos, sorrisos e declarações de amor falsos, eu mesma não sou assim. Contudo tenho aprendido que  Deus deseja de nós que nos suportemos, no mínimo isso... Amor se exercita, se planta, se colhe. Esteja disposto a fazer isso levando em conta que se assim o fizer você estará se preparando para amar desconhecidos, pessoas sem Deus, perdidos desse mundo.

Se você não conseguir amar aqueles que já são da família de Cristo, como irá amar aqueles que ainda não são? Mas que esse amor não seja fingido, busque em Deus amar aqueles que você apenas suporta. Você verá que no início é mais difícil, mas depois, graças a Deus, fica mais fácil. Exercite o amor e a paciência. Deus abençoe.

O amor seja não fingido. Aborrecei o mal e apegai-vos ao bem. Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros. Romanos 12:9-10

Extraído do blog da Suzy de Paula: CRISTANEANDO

EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

terça-feira, 12 de agosto de 2014

EPÍSTOLA AOS AFRICANOS


Todos os cristãos das Américas vos saúdam e não cessam de fazer menção de vós nas orações ao Deus do céu, para que não desfaleçam na fé e nas boas obras diante de nosso Senhor Jesus Cristo.

Vós mesmos bem sabeis, por experiência própria, que a liberdade em Cristo excede o abrir das prisões e o quebrar dos grilhões dando-vos nova vida independentemente do estado e condição em que se encontram.

É notório em vossos povos, a mácula histórica de vossos antepassados cuja opressão e escravidão eram modo de vida e cuja expatriação era seus destinos finais. O Senhor que contempla todas as coisas hão de justiçar essa causa em seu devido tempo!

Todavia, vemos nesses últimos tempos que Satanás não cessa de causar males entre vós. Muitas de vossas igrejas foram incendiadas, aldeias destruídas, irmãos assassinados e crianças sequestradas em cumprimento da palavra: “vem a hora em que qualquer que vos matar julgará prestar um serviço a Deus.”¹; esse deus adorado pelos vossos malfeitores é conhecido pelo nome de Alá cuja religião é chamado de islã.

Essas perseguições têm se espalhado nas regiões da Nigéria, do Quênia, do Egito, da Eritreia, do Marrocos, do Sudão aumentando as aflições semelhantes aos que passam nossos irmãos do Oriente Médio.

Que o Deus de toda a graça vos conceda força e perseverança nessas constantes tribulações para serem fiéis e dignos da coroa da vida, sabendo que “preciosa é a vista do Senhor, a morte dos seus santos”².

¹João 16:2

²Salmos 116:15

EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS


segunda-feira, 11 de agosto de 2014

ANTIFEMINISMO REPERCUTINDO


O papel das redes sociais contra uma pensamento massificado tem sido importante para quebrar paradigmas contra um engessamento de um pensamento. Já é corrente a ideia de que dona de casa é escrava do marido, que mulher realizada só se for bem sucedida, que o homem é o provedor do lar... enfim, uma infinidades de argumentos feministas que desestruturam as individualidades e liberdades das mulheres pensarem por si só.

Veja a entrevista da ISTO É com as que movimentam essa ideia da valorização da mulher sem politicagem nas redes sociais:

O movimento das anti-feministas

Surgem na internet comunidades de mulheres, a maioria jovens, que consideram o feminismo ultrapassado, radical e desnecessário nos dias de hoje

Para um número cada vez maior de mulheres jovens, o feminismo é um movimento ultrapassado, cheio de ideias equivocadas. “Atualmente não temos mais as mesmas desigualdades do passado”, afirma a administradora Léia Sampaio, 24 anos, integrante da comunidade Mulheres Contra o Feminismo e uma das representantes do que está sendo chamado de antifeminismo. Esse grupo cresce na esteira das redes sociais – há uma profusão de comunidades sobre o tema na internet – e, amparado em lemas como “homens e mulheres são diferentes sim e têm de ser tratados como tal”, vem angariando adeptos. Segundo a especialista em feminismo e professora da Universidade de Brasília Susane Rodrigues de Oliveira ideias contrárias à emancipação das mulheres existem desde a Antiguidade, mas têm ganhado expressividade no Brasil por se tratar de um país ainda educado em torno de valores conservadores e cristãos. “Elas veem o feminismo como uma subversão da ordem sacralizada e heterossexual”, afirma. “Trata-se de uma reação de setores mais vinculados à Igreja, que defendem uma concepção de família mais antiquada”, completa Tica Moreno, militante da Marcha Mundial das Mulheres para quem o surgimento de grupos antifeministas deve-se à popularização do feminismo nas redes sociais.

A administradora Léia chegou a integrar um grupo feminista durante a adolescência. O ponto de virada ocorreu em um debate sobre a legalização do aborto – ela é contra a interrupção da gravidez. Há quatro anos, Léia tornou-se uma das administradoras de um dos grupos de antifeministas da internet. “Quero mostrar à sociedade que para uma mulher lutar por seus direitos ela não precisa ser feminista”, diz. Para a jovem, homens e mulheres não são biologicamente iguais e por isso assumem papéis sociais diferentes.

“É preocupante que, para conquistar a igualdade, uma mulher tenha que trabalhar tanto quanto um homem e ficar sobrecarregada”, afirma. A antropóloga e pesquisadora do Núcleo de Estudos de Gênero da Unicamp Guita Grin Debert observa que a diferença de salários, por exemplo, reforça a necessidade da luta feminista no Brasil. “Existem desigualdades entre homens e mulheres e a crítica se dá quando elas são usadas para inferiorizar o gênero feminino”, diz.

Estudante de letras e ex-militante feminista, Tamara do Nascimento Mota, 23 anos, começou a se identificar com o antifeminismo quando teve um texto de sua autoria sobre emagrecimento censurado em uma página feminista. “Comecei a perceber que havia uma apologia à obesidade. As feministas diziam que cedíamos à ditadura da beleza imposta”, diz. Para a estudante, o movimento feminista no Brasil adotou ares radicais. “Elas desqualificam e são intolerantes com as mulheres que divergem de sua ideologia”.


Fundadora de outra página antifeminista nas redes sociais, a educadora Silvania Delduque, 41 anos, acha que as mulheres devem resgatar o romantismo, visto como submissão pelas feministas. 

Ela também critica as manifestações públicas dos grupos de igualdade de gênero. “Comecei a notar que muitas utilizam o rótulo de feminista para praticar atos de atentado ao pudor”, diz. Católica, ela acredita que atos que utilizam símbolos religiosos em performances sexuais desmoralizam as mulheres. Para Tica Moreno, da Marcha, porém, quando se busca uma mudança estrutural é necessário ser radical. “As performances fazem parte da nossa estratégia, mas é importante compreender que o feminismo vai além das marchas”, diz. Silvania também questiona a necessidade da luta pela igualdade. “Hoje as mulheres têm seus direitos conquistados e amparos legais para recorrer”, diz. Ela acredita que homens e mulheres têm papéis diferentes: “A mulher é a mãe que deve estar presente na vida dos filhos e o homem é o chefe da família.” 

A ativista Tica ressalta, entretanto, que a conquista não ocorreu na mesma medida entre os gêneros. Para ela, apesar de as mulheres atuarem cada vez mais no mercado de trabalho, os homens não incorporaram as atividades domésticas em sua rotina. “A sociedade ainda precisa evoluir muito para que as mulheres sejam livres e autônomas”, diz. Até lá, é necessário que levantem a voz por seus direitos e pela preservação de suas conquistas."

Extraído da ISTO É

EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS