terça-feira, 25 de novembro de 2014

ISLAMITAS: "A DESTRUIÇÃO DE ISRAEL É QUESTÃO DE TEMPO"

         Foto a esquerda é do 25ª aniversário do Hamas com Israel pintado da cor tema do Islã. A direita a foto do Estado Islâmico que deseja incluir todas as terras islâmicas em seu califado tirano.

Israel vive constantemente em uma bomba relógio, cercado por dezenas de países islâmicos e hostis a essa nação. O problema não é nem de serem islâmicos, mas sim, de serem excessivamente antijudeus... a única e minúscula terra que pertence a Israel (e ainda dividida e aberta para árabes e palestinos) é reivindicada pelo Hamas e apoiada pelas nações islâmicas ao redor.

Devido a unidade doutrinária central da religião islâmica, aliada ao anseio coletivo e propagado para todos os islamitas lutarem pela "causa de Alá" é possível se criar ódio continental e até mundial contra a única democracia do Oriente Médio.

Está claro que o caso da posse da terra é apenas um instrumento de linguagem para agitar e fomentar um novo holocausto igual a do nazismo. Todos os chefes de Estado no mundo islâmico já pronunciaram de uma forma ou de outra a extinção de Israel assim como a morte dos "infiéis".

Os radicais islamitas não estão com pressa de cumprir essas metas. Um ditado árabe diz: "Um homem que ganha a sua vingança depois de 40 anos está agindo com pressa". Ahmed Yousef, assessor político do então primeiro-ministro palestino Ismail Haniyeh, do Hamas, disse que tudo o que está em seu livro - "O Fim do Estado Judeu" - é uma questão de tempo.

Estão se armando, confiando nas desinformações mundiais que oferecem ódio gratuito à Israel, pretendem se armar nuclearmente e adquirir mais apoio bélico e militar de países como Irã e outros árabes. Se considerar o poderio bélico, riquezas petrolífera e comercial é possível chantagear a Europa... se trata de uma guerra assimétrica onde a liberdade, democracia e os diretos humanos estão ameaçadíssimos!

Agora, convido os leitores a acharem algum vídeo de judeus queimando a bandeira da Palestina, do Irã, da Arábia Saudita; ou então Benjamin Netanyahu fazer juras de destruição de algum país islâmico. É cobrado polidez e bons modos dos civilizados, enquanto os bárbaros tem todas as benesses das Ongs dos chamados "direitos humanos".


Entenda o conflito entre Israel e Palestina neste curto vídeo bem detalhado nas questões históricas:

EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

Fonte: GI

1. HAMAS NÃO SERÁ RESPONSABILIZADO??
2. HAMAS: "NÃO SOMOS TERRORISTAS, APENAS QUEREMOS DESTRUIR ISRAEL"
3. UMA GUERRA MAIS SUTIL QUE O CONFLITO ARMADO
4. TERRAS MUI DESEJADAS

Um comentário:

  1. Grande Ezequiel! Excelente texto! Esse vai para o Blog "Aqui eu Aprendi!" rsrsrs
    Meu amigo, peço sua permissão e já agradeço a Deus por nossa amizade.
    Abraço fraterno.

    Pastor Ismael

    ResponderExcluir