quinta-feira, 28 de agosto de 2014

SERÁ QUE O HAMAS VAI SER RESPONSABILIZADO PELOS CRIMES DE GUERRA?


Execuções extrajudiciais do Hamas de palestinos suspeitos de "colaboração" com Israel na Faixa de Gaza são um sinal de que o movimento islâmico começa a entrar em desespero diante do sucesso de Israel nesse contra-ataque aos terroristas.

Essa execução pública de mais de 26 pessoas poderiam transformar muitos palestinos com o sentimento antihamas. O grupo terrorista proibiu a publicação dos nomes dos palestinos executados, em outras palavras, o Hamas tem medo que a divulgação provoque indignação dos parentes das vítimas e se levante pedidos de vingança contra os guerrilheiros.

O Centro Palestino dos Direitos Humanos foi o único grupo que se atreveu a criticar o Hamas por fazer muitas execuções públicas na frente de transeuntes, até na frente de crianças. Entre os executados há duas mulheres.

Em entrevista, o líder do Hamas (em seu luxuoso hotel no Qatar) disse: "Não somos um grupo religioso violento". 

As execuções extrajudiciais será adicionado à longa lista de crimes cometidos pelo Hamas contra os palestinos. Mas a questão que permanece é se a comunidade internacional irá responsabilizar o Hamas pelos seus crimes de guerra.

Veja um vídeo em que no final mostra palestinos colocando crianças na frente de morteiros para não receberem retaliações do exército israelense:


Fonte: GATESTONE

EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

2 comentários:

  1. eu só não entendi uma coisa sobre o vídeo. Porque o Brasil é contra o Israel. Mais a sena que eu vi onde eles colocaram as crianças na mira de armas para intimidar seus pais, crianças sendo educadas para guerra, fizeram tipo um circo com crianças, para soltar misseis, matando mulheres apedrejadas por adultério. Quanto a parte do apedrejamen to ei já sabia que eles ainda têm essa tradição de apedrejar mulheres adílteras. Mais uma coisa eu espero é que Hamas seja indiciado por tudo isso. SDegundo a um filho dele que não é a favor do se4u pai Hamas seu pai não deixa as coisas ficarem sem resposta, ele disse que sente muito por ser seu pai e por isso é afastado do pai por isso mesmo. Só tem uma coisa o Brasil deve ficar de fora dessas coisas ou vai sobrar para ele também.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paz irmã Guiomar,
      Na verdade não é o Brasil que é contra Israel, é a ala esquerda da política que é contra Israel (aliás, todo esquerdista do mundo). Essa categoria política no Brasil é adepta do marxismo/comunismo que é veementemente contra os valores judaico-cristão (por isso essa agenda de aborto, eutanásia, casamento gay etc.) e por isso, eles fazem muita propaganda enganosa contra Israel pra criar um sentimento antijudaico. Um exemplo claro e ridículo de esquerdismo é o deputado Jean Wyllys que é gay apoiar o Hamas que matam homossexuais e esquartejam depois - contradição pura!

      Experimente um político do PC do B, PSOL, PT, PSTU, PV, PCO apoiar Israel ou cristianismo que é expulso na hora como aconteceu com um petista que era contra o aborto.

      Paz!

      Excluir