terça-feira, 22 de julho de 2014

UMA GUERRA MAIS SUTIL DO QUE O CONFLITO ARMADO


Uma coisa é bom para que todos entendam quando ocorre um fenômeno histórico, político, geopolítico etc., é que uma guerra nunca vem apenas da forma armada; vem de forma política nos parlamentos, nas estruturas políticas de outros países (aliados ou não) e também da forma mais complexa e difícil de ser observada: A guerra de propagandas.

A propaganda sempre tem por efeito trazer uma percepção das coisas que não condizem totalmente com a realidade, antes, para produz comportamentos, opiniões e pensamentos erroneamente a respeito de determinada coisa.

É verdade que em todos os casos de guerra e conflitos entre nação, sempre saberemos as coisas corretamente bem depois dos fatos ocorridos, e muitas coisas por trás das cortinas dos acontecimentos nunca saberemos. Mas o que se sabe tem que ser dito e exposto independente dos lados.

Quanto esse conflito que há na faixa com certeza não seria diferente nessa guerra de propagandas que há em todo o Ocidente. Nas maiores editoras e meios de comunicação do mundo há muitos jornalistas declaradamente antissemitas e marxistas (antissemita por tabela ideológica) assim como muitas empresas de comunicação já estão nas mãos de muçulmanos São pessoas que consegue exercer troca de opiniões em milhões de pessoas em pouco espaço de tempo, e considerando que o jornalismo brasileiros se baseiam nesses "articuladores" claro que o assunto chegará tendencioso aos nossos ouvidos. Por isso, não os considero como formadores de opinião, mas como "alienadores" dessas:

Os alienadores de opinião são caso sério! Por meio deles muitas pessoas bem intencionadas, porém desinformadas tecem cobras e lagartos contra Israel na questão da Faixa de Gaza. 

Inocentemente acabam por inverter a percepção correta da estatura moral dos lados no conflito baseando-se apenas nas fotos de pessoas atingidas e não na estrutura real dos acontecimentos.

1) A luta de Israel não é contra os palestinos, mas sim, contra o Hamas.

2) Israel não está atacando, está CONTRATACANDO...há um abismo de diferença.

3) O exército israelense avisa e incentiva por meio de panfletagem e divulgadores (com dificuldades pois o Hamas se opõe), os civis palestinos a evacuarem os locais antes dos ataques pra não morrer inocentes.

4) O Hamas não é exército nem força de segurança, é um força terrorista que tem relações com a Al Qaeda, Talibã, Al shaab e declaram abertamente que desejam "varrer Israel do mapa".

5) Sendo o Hamas um grupo terrorista, eles não têm por compromisso a proteção dos palestinos, mas sim, desestruturar os judeus por meio do terror através da guerrilha. Eles são o braço armado que age ilegalmente; existe o braço político agindo "legalmente" pra alcançar a vitória da jihad (guerra ''santa'' do islã).

6)Não é de admirar que eles estrategicamente escondem foguetes e mísseis em escolas, asilos e até hospitais usando os civis como escudo humano com o duplo objetivo de se protegerem e ao mesmo tempo gerar o escândalo da morte de inocentes.

7) Enquanto os soldados fazem o máximo pra avisar os palestinos a saírem da zona de conflito, os terroristas incentivam a ficarem para o exército israelense revidar os ataques com cautela.

8) Enquanto a meta do Hamas é tomar a força Jerusalém, a de Israel é apenas de se proteger...até pra isso o mundo está censurando os judeus!

Ninguém quer morte de inocentes! de nenhum dos lados! Mas a questão que enfatizo agora não é as vítimas da guerra armada no Oriente Médio, são as vítimas da GUERRA DE PROPAGANDA no Ocidente que é tão sutil, complexo; e por vezes incompreensível à primeira vista a ponto de fazerem pessoas de bem estarem a favor de terroristas sanguinários.

Se tem uma coisa tão danosa que o terrorismo armado dos fundamentalistas, é o terrorismo intelectual dos pseudojornalistas!



EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

  1. A EDUCAÇÃO DA MANEIRA DO HAMAS
  2. O IDEAL DO HAMAS
  3. HAMAS: NÃO SOMOS TERRORISTAS, QUEREMOS APENAS DESTRUIR ISRAEL
  4. O ANTIJUDAÍSMO E O CUMPRIMENTO DE PROFECIAS



Nenhum comentário:

Postar um comentário