quarta-feira, 9 de julho de 2014

A PEDOFILIA COMO TESE ACADÊMICA

                                                           Jimmy Savile e Rolf Harris

O ser humano por inclinação natural é dado a superar limites; mesmo com moderação é de praxe a ideia de vencer na vida, ultrapassar obstáculos e "ir além dos horizontes". Imagine então nós, seres moralmente decadentes e depravados, com necessidade de redenção desde a sua origem, estar visivelmente inclinado ao mal e sem regras, sem punição e com favorecimentos à prática do mal!

É nessa administração que o mundo está descaradamente sendo dirigido. Nos meios de comunicação encontramos pessoas a favor de liberação de drogas, psicólogos a favor de sexo com animais, deputados a favor da soltura de traficantes... e como já era de se esperar: pseudointelectuais abusadores de menores.

De fato isso não é motivo para espanto, haja vista, a própria ONU - Instituição que se diz guardadora dos Direitos Humanos ter credenciado o Instituto Kinsey (ONG que trata da "sexualidade infantil" e da cobertura à pedófilos), nada mais "tolerável" de que nos santuários do conhecimento como as universidades de Cambrige e Essex e autarquias como a Sociedade Britânica de Psicologia apresentem teses acadêmicas para um novo padrão de comportamento: A elevação moral do aliciador e estuprador como "amantes e apaixonados" por crianças!

"O interesse pedófilo é natural para os machos humanos", foi dito em uma apresentação. "Pelo menos uma minoria considerável de homens normais gostariam de ter sexo com crianças". Essa afirmação não foi dita em um site ou grupo clandestino de prostituição infantil, mas publicamente em uma conferência pela universidade de Cambridge.

Como todo lobby* eles começam a colocar termos e conceitos em circulação, para aos poucos, inculcar e condicionar ideias de normalidade dos comportamentos de seu grupo para a sociedade. Uma nova palavra é a Hebephilia (preferência sexual em crianças em puberdade precoce, mais ou menos de 14 ou 15 anos).

Um grande reflexo desse lobby percebe-se em políticas de sexualização em escolas, distribuição de camisinhas para uma população desenfreada compulsivamente, diminuição da menoridade sexual e a descriminalização da pedofilia. O que determina o crescimento e expansão dessa força satânica é o apoio oculto que recebe dos barões da política, megacorporações e celebridades...pessoas de referências.

Como definir o caminho que o mundo está seguindo? O que dizer da coisificação das relações humanas e de sua própria natureza? 

Psicopatas é a resposta mais aceitável nesse caso. Psicopatas é dessensibilizado de qualquer culpa nem com o dano do próximo, nunca sofre interiormente com o sofrimento alheio (a menos que lhe interesse para benefício próprio). Psicopatas muitas vezes podem não ser capazes praticar crimes hediondos, mas são capazes de entrar nos limiares das consciências afrouxando os sentimentos morais, abrindo os caminhos da vida com pequenos e imperceptíveis crimes e defendendo-os a ponto de chamarem de "direitos".   

Essa retórica é diabólica, intenções insanas que desejam promover o caos no cortéx cerebral nas pessoas já fragilizadas e suscetíveis a qualquer mudanças de padrões comportamentais. É uma espécie de iniciação satânica coletiva - e isso com a ajuda dos governos, dos intelectuais, dos formadores de opiniões... e até da classe religiosa devido a inépcia dos fatos.

Fonte: THE TELEGRAPH

*grupos de pressão para interferir em decisões políticas à favor de um grupo específico em detrimento da democracia.


  1. A CAUSA E OS PROTESTOS DOS ATIVÂNDALOS
  2. MORALIDADE ABAIXO DE ZERO: ZOOSSEXUALISMO
  3. O DIREITO À PEDOFILIA REIVINDICADO


EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

Nenhum comentário:

Postar um comentário