segunda-feira, 14 de julho de 2014

A DIFÍCIL TAREFA DE SER VOCÊ MESMO



Estamos em tempos nos quais as pessoas estão solitárias em meio a multidões, cativas em plena liberdade e com conflitos em tempos de paz. Tais condições psíquicas não são causadas por acontecimentos externos, mas por fenômenos internos, na alma humana. A formação de um ser humano, a construção da sua personalidade e o desenvolvimento das suas capacidades só são possíveis em liberdade, mais precisamente a liberdade no seu interior.

Tais são esses tempos em que a sociedade está se tornando mais tribalista nas formas de grupos sociais que forçam a cada um tomar posições em pró de uma causa que não conhecem, opiniões de fatos que não entendem e protestar contra problemas que não lhe interessam deixando dilemas pra quem desejam simplesmente viver. O “problema” é quando você, sendo uma pessoa única e diferenciada dos demais tem a sua vida vigiada – acredito que o título desse texto também deveria ser “a maior das minorias”.

Uma coisa é você ser perseguido pelo faz, por ter opiniões polêmicas, posições políticas diferenciadas, religiões alternativas ou atitudes variadas (essas chegam a ser normal), mas outra coisa é você ser perseguido pelo simples motivo de você existir – pelo que você é!

Ser sincero consigo mesmo exige coragem, manter convictas suas posições exige intrepidez e questionar o senso comum já é entregar sua cabeça à forca! A necessidade de ser aceito por grupos fazem das pessoas capazes de venderem suas consciências trocando de conceitos e opiniões simplesmente por medo de exclusão. A solidão na vida de uma pessoa carente é mais angustiante do que a companhia da sua própria morte!

Grande parte das pessoas não conseguem encarar o diferente, o desconhecido por isso as reações podem ser as mais diversas. Faz do pensador o inimigo de todos, o ignorante aplaudido e o néscio ovacionado; se já fizeram até com o Deus encarnado! A agressão física violenta o corpo, o preconceito a alma e a blasfêmia o espírito.

Ser diferente é viver constantemente ao lado de inimigos, perdoar o que ofende e lutar pra sobreviver em um tempo que não lhe pertence, num momento histórico que não lhe compete e com pessoas que não lhe entendem.

Isso tudo se encaixa perfeitamente com a vida de um cristão autêntico, não no aspecto religioso da coisa, mas da ‘nova vida’ dita por Jesus, de ter uma cosmovisão diferente, daquele que obedece e vive aos moldes eternos independentemente. Seja no Oriente como no Ocidente ser cristão é nadar contra a corrente!

No Oriente Médio ser cristão autêntico significa ser decapitado, na Coreia do Norte fuzilado e no Ocidente socialmente marginalizado. Tanto em um como no outro exige-se a firme convicção de enxergar o invisível e palpar o intangível!

Ser você mesmo é aceitar a condição de peregrino na Terra. É uma dura tarefa de tal forma que não aceitável o “meio termo”. É entregar de bandeja sua imagem pra ser difamada, sua fé questionada e, se permitirem, seu corpo crucificado! Por isso o pior suicídio é aquele que  vende suas preciosas diferenças pra ser simplesmente igual aos outros, que negocia sua vida eterna por um prazer temporal em nome da aceitação e prefere virar um Judas do que sofrer pelo que crê!

EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS


10 comentários:

  1. Amigo Ezequiel, parabenizar-te por este magnífico texto é pouco. Estou encantada com tanta maestria em abordar um assunto social tão gritante. É muito fácil ser igual em uma sociedade alienada, mas ir contra à essas vertentes requer muita personalidade. Show! Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Paz de Cristo!
    Realmente hoje em dia é muito difícil manter uma opinião própria porque não existe mais o respeito ao diferente. As palavras de Voltaire: "Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o teu direito de dizê-las", não faz mais nenhuma sentido hoje em dia. O que acontece é uma forte manipulação para que os padrões de pensamento das camadas dominantes da sociedade sejam implantados nas mentes das massas e muitos cristãos têm aberto mão de sua fé por medo de ser diferente e do preço que se paga por se pensar por si mesmo. Seu texto me fez lembrar do livro de George Orwel "1984", uma verdadeira obra prima.
    Deus continue te abençoando!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado irmã pelo rico comentário. Interessante saber que você já leu Voltaire, eu também, o livro de Geroge Orwel acredite se quiser, achei na boca de um bueiro prestes a cair dentro do esgoto; deixei no sol pra secar e li...foi então que descobri esse grande esritor!

      Excluir
    2. Achaste um tesouro, hein Ezequiel. "1984" é muito atual, todos deveriam lê-lo pra entender o quanto somos manipulados e influenciados o tempo todo. Acho que minha paixão pela Filosofia nasceu da vontade de aprender a pensar mim mesmo. Deus te abençoe por estar trilhando o caminho da liberdade...

      Excluir
  3. Hoje gostei do seu texto, amigo, não é sempre que isso acontece,grande abraço!

    ResponderExcluir
  4. Grande Ezequiel! Texto inspirador.
    Gostei muito, forte abraço meu amigo.
    Pastor Ismael

    ResponderExcluir
  5. Ser você mesmo está cada vez mais difícil, principalmente neste sociedade que tenta moldar a personalidade de todos.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de julho

    ResponderExcluir
  6. Prezado Ezequiel !
    Muito bom teu texto, meus cumprimentos. Tomei a liberdade de compartilhar no meu facebook,
    Parabéns também pela musica de fundo, adorei.
    Abraços
    Andrea

    ResponderExcluir
  7. Belo texto Ezequiel!Ser diferente,pensar diferente e exprimir suas ideias sem medos requer muita coragem e forte personalidade.Amei seu post!Abraço.

    ResponderExcluir