terça-feira, 10 de junho de 2014

O ISLÃ RADICAL E O TRÁFICO DE MULHERES

                                                         Menina cristã no Paquistão

Quando não se consegue crescer e se multiplicar através da persuasão ou com a ajuda do seu deus é preciso urgentemente usar a força, a espada, a violência e a guerrilha para o seu desenvolvimento.

Cabe lembrar que o verdadeiro Islã, apesar de ter violência em sua história, não compactua na sua essência com este tipo de atuação; o manto de ideologias revolucionárias tomou todo o mundo muçulmano que elevou o mal objetivo como estratégia de difusão da sua "religião".

E isso se dá também com as mulheres. Uma ONG muçulmano paquistanês diz que a cada ano entre 100 a 700 mulheres cristãs de idade entre 12 a 25 anos são raptadas, convertido ao islamismo, e casada com sequestradores e guerrilheiros jihadistas.


É a politização do estupro e do tão denunciado [erroneamente aqui no Ocidente] machismo... gostaria de ver alguma feminista criticando essas barbáries contra as mulheres. Elas estão sendo forçadas a renunciar o cristianismo e se casar forçadamente para satisfazer os que não conseguem esposas... se já não bastasse destruir a vida, destrói a fé dessas indefesas mulheres!

Além da discriminação, o preconceito e a opressão às mulheres é grande no Paquistão. Há relatos que a cada B.O (Boletim de Ocorrência) na delegacia dos pais de vítimas cristãs, os amigos dos sequestradores apresentam uma queixa em nome da mulher sequestrada alegando que os pais estavam assediando elas para despistar e confundir as investigações...é o reino da opressão e da mentira também!

O relatório observa que após o rapto as mulheres são estupradas, fazer prostituição forçada, sofrem toda a sorte de violência sexual, vendidas e outros crimes contra a dignidade da mulher; além de tudo, sob ameaças são obrigadas a faze declarações a favor de seus sequestradores.

As feministas de hoje, se lutam realmente pela "causa" feminina, fazem como os cristãos: denunciam ao menos, gritem, fazem passeatas criticando o radicalismo islâmico. Esses sim desvalorizam a mulher e reduzem as seus próprios desejos e necessidades, diferentemente dos países altamente cristãos (chamados constantemente de opressores e patriarcais) onde há liberdade de manifestação feminina e democracia até para ser chefe de Estado [ como no caso o Brasil]... só que me lembro que quem é pago pra ser ativista não luta por ideais pois são mulas com cabrestos!


EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS  

3 comentários:

  1. essa história de sequestro no Isã é uma coisa que nunca va acabar, devido a elas serem levadas a força quando em crianças e forçá-las a ficar com os islamitas mesmo sendo guerreiros, e ainda será obrigadas a dizer que seus pais estavam acediando quando seus pais iriam fazer o BO. Segundo a ONU diz que por ano mulheres de 500 a 700 de 12 a 25 anos são raptadas, convertidas ao islamismo e casadas comos sequestradores guerrilheiros.

    ResponderExcluir
  2. Fico muito triste em saber que existem situações como esta, onde mulheres não têm autonomia sobre si mesma e onde a lei (cega) não as protege como deveria. Cabe a cada um de nós interceder ao Senhor para que esse quadro seja mudado, pois enquanto há vida, há esperança.

    ResponderExcluir
  3. Só Deus para mudar essa situação!!
    Amei o seu blog.. fica na paz!!
    http://evangelicasm.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir