quarta-feira, 23 de abril de 2014

CHARLES: O EX-GAY



Eu vim de uma família cujos pais eram da igreja com mais três irmãos. Eu era o mais velho dos quatro filhos. Ensinaram-me sobre Deus desde a idade de prestação de contas, então eu pensava estar pronto para enfrentar o mundo certo? Eu pensei assim. Então aconteceu. Eu ouvi as palavras que cada adolescente não deveria ouvir aos 15 anos. Meus pais estavam se divorciando. No começo eu pensei que estava indo tudo normal e que as coisas iram melhorar, mas eu estava errado. Na verdade, tudo o que tinha acabado de começar e a minha vida seria virada de cabeça para baixo. Minha vida nunca mais seria a mesma.

Fiquei magoado emocionalmente e precisa de atenção pessoal. Com o divórcio, a minha família não tinha tempo para mim. Meu pai nunca tinha feito um esforço para ter um relacionamento comigo, mas eu ainda me sentia amado, respeitado e acreditava nele. No entanto, agora por causa do divórcio eu não acreditava mais nele e meu respeito por ele se perdeu. Eu comecei a culpar a Deus por problemas dos meus pais e por permitir que o meu pai a se afastasse de mim. Virei as costas para Deus e me desviei. Assim como meu pai tinha feito. Eu tinha decidido tomar o assunto em relação a minha vida em minhas próprias mãos. Tomei o controle da minha vida me senti bem no momento, no entanto, quando eu fiquei preso, perdi o controle.

Eu precisava de atenção, amor, aceitação, e acima de tudo, o preenchimento de um vazio na minha vida, então, optei por desejar os homens. Eu descobri que em um relacionamento com um homem eu tenho tudo que eu precisava. Aos 15 anos eu escolhi se tornar gay e me envolvi com tudo do gênero. Tive relações sexuais com 10 homens, me envolvi com o consumo de álcool, com drogas, e assistia muito pornografia na internet. Tive minha satisfação pessoal de estar em torno dessas coisas. Foi o meu modo de vida. Eu pensei que era nesse tipo de relação que encontrava minha identidade.

Aos 16 anos eu me apaixonei por um homem chamado David. Eu conheci David através da igreja. Minha mãe e uma amiga dela cantava em nosso coro da igreja. O coro da igreja estava gravando uma música e queria me ajudar a obter comida e fazer outras tarefas, quando necessário. O amigo da minha mãe trouxe David junto. Ou seja, quando a nossa amizade começou. Foi só um mês depois que começou um relacionamento. Tivemos um ótimo relacionamento juntos e parecia que nada poderia nos separar. Mas David terminou nosso relacionamento de forma abrupta e sem qualquer aviso. David não tinha nenhuma razão do porquê ou quando decidiu se sentir assim. Simplesmente aconteceu. Com o coração partido e emocionalmente gasto, procurei algo para satisfazer o vazio que tinha acabado de ser criado na minha vida. Virei-me para a pornografia e sua gratificação instantânea. Funcionou por um curto período de tempo e, em seguida, tornou-se um hábito chato. E não parou por aí, no entanto, que outras e próximas edições continuaram a atormentar a minha vida.

Eu tinha acabado de fazer 17 anos e eu me senti no topo do mundo, como se nada pudesse me parar. Eu era um "homem" e agora eu poderia fazer minhas próprias coisas. Eu poderia fazer as minhas decisões sem a ajuda de ninguém. Eu me senti especial. Meu tio tinha falado para dois anos sobre o festival chamado "Burning Man". Eu não tinha certeza o que pensar disso. Tudo o que eu tinha ouvido falar dele é que era tudo sobre arte. Tomei minha decisão, eu queria ir e nem mesmo os meus pais iam me parar. Eu menti para meus pais e disse a eles que estava indo para ir em uma viagem para visitar algumas nascentes de água quente realmente puro.

Saí pensando que ninguém jamais iria descobrir isso. O festival parecia muito legal na época, e eu me senti como um homem livre. Eu poderia fazer minhas escolhas e fazer o que eu queria e ninguém realmente se importava. Eu poderia beber, usar drogas, fumo, fazer sexo, e ser aceito. Eu bebia muito, tomei uma droga chamada êxtase, fumei cigarros e tive relações sexuais desprotegidas pela primeira vez. Eu pensei que estava tudo bem, mas eu ainda não me sentia culpado, por quê? Eu sabia o que eu fiz foi errado e, mais cedo ou mais tarde eu sabia que iam pegar no meu pé. Meus pais finalmente conseguiram descobrir e tudo veio à tona. Eu não posso te dizer o quanto isso mudou o meu coração para ser finalmente aberto com os meus pais e outras pessoas ao meu redor.

Minha mãe sugeriu que eu fosse a um terapeuta de ex-gays que ela tinha ouvido falar. Para o próximo par de meses, "experimentei" este terapeuta e eu finalmente decidi que eu ia ficar lá e tive alguma ajuda. Ele foi muito legal e até hoje ele ainda é. Eu era capaz de obter os meus sentimentos para fora sobre o divórcio dos meus pais, o meu tempo no Burning Man, minha crise de identidade sexual, e meu relacionamento com Cristo.

Em seguida, ele começou. Deus tornou possível para mim ir para um acampamento de inverno com o meu grupo de jovens na igreja através de um amigo; o nome dele é Dustin. Ele sugeriu que eu vá e ajudar na organização do evento. Eu fui lá com medo de que seria julgado  em todo o tempo. Eu estava com medo por dentro da maneira algo que eu tinha sido criado, logo percebi que não era do grupo de jovens que eu tinha medo de, era Deus. E havia escondido dele por tanto tempo que eu não aguentava estar em torno de pessoas que queriam proclamá-Lo e adorá-Lo. E pensar que eu ia passar todo o fim de semana com eles! Eu finalmente percebi, no segundo dia que eu precisava desesperadamente de Deus na minha vida e que precisava acontecer depois. Eu caí de joelhos e disse a Deus que eu queria que ele me encontrasse cara a cara lá. Ele fez isso e até hoje a minha vida nunca mais foi a mesma. Foi imediatamente preenchido com uma alegria que só Deus pode dar. Eu me senti completo pela primeira vez na minha vida.

A partir de então entreguei a minha vida a Deus que tomou o completo da minha vida. Nem sempre foi fácil depois que manter a fé por causa de pressões do mundo, mas finalmente adquiri a minha verdadeira identidade. Eu tinha finalmente encontrado o amor, aceitação, atenção e satisfação que eu tinha tanto precisava.Eu posso honestamente dizer: "Não seja feita a minha vontade, mas a tua." Eu ainda tenho 17 anos. As pessoas que ouviram meu testemunho têm me perguntado sobre isso. Eles me perguntam sobre o meu passado e como eu costumava ser. Eu simplesmente respondo que eu era pecador e Deus apagou tudo e como o meu único salvador, posso atestar a ele ser minha Rocha e meu Redentor. Eu sou, com a graça de Deus e de misericórdia, um crente, e com o verdadeiro arrependimento posso provar isso. Depois disso, eles costumam fazer um monte de perguntas. Acho que Deus usa o meu passado como uma ferramenta incrível testemunho muitas vezes.

Hoje em dia eu me lembro de que, quando as coisas ficam difíceis Deus nos disse, "Confia no Senhor de todo o coração; e não se apoie em seu próprio entendimento. Em todos os teus caminhos reconhecê-Lo; e Ele endireitará as tuas veredas. "(Provérbios 3:5-6) Também eu me lembro que a fé não se torna mais fácil, mas torná-lo possível!

O seu irmão mais novo em Cristo,

Charles


EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

*desculpe a qualidade do texto,mas é que foi adaptado do inglês para melhor compreensão.


Um comentário: