quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

O PROBLEMA DE NÃO TER "RABO PRESO"


Não é de hoje que há uma indústria de desmoralização para com todos que se manifestam contra o casamento gay, aborto, eutanásia, liberação de drogas, cotas e todo o pacote que vem com o sistema totalitário que mergulha a nação tupiniquim. Agora percebe-se os estágios finais da degradação dos valores morais que deveriam ser a base da sociedade brasileira.

Uma entidade paira nas mentes infectadas de ideólogos, pseudointelectuais, inculcadores de opiniões disfarçados de jornalistas brasileiros que são capazes de desferir opiniões de caráter antidemocrático, antiliberdades e até mesmo antijornalísticos contra a jornalista Rachel Sheherazade do SBT, que tem emitido opiniões que em sua essência, está entalado na "goela" da população.

Ela não tem se rendido a interesses políticos, ideológicos e nem ao politicamente correto que ama se solidariezar com criminosos e criminalizar a polícia, a sociedade....e pasmem, até contra o cidadão de bem, indefeso que tenta se defender.

A ala esquerda da política brasileira (no entanto, todo o cenário devido a sua hegemonia) estão mostrando cada vez mais sua face ditatorial manifestando de várias formas ataques contra formadores de opinião que não concordam com seus ideais... e ainda dizem que há liberdade de expressão no Brasil:


CENSURADORES À CAMINHO

O sindicato dos jornalistas profissionais do Município do rio de Janeiro e a Comissão de Ética daquela entidade manifestaram uma nota de repúdio dizendo que a jornalista "violou os direitos humanos e o código de ética dos jornalistas brasileiros" no caso em que os próprios cidadãos amarrou um delinquente no post.  - Claramente, assim como outros orgãos e autarquias no Brasil -, esse sindicato não está nem aí para o artigo 301 que diz que "QUALQUER DO POVO PODERÁ (E AUTORIDADES POLICIAIS) DEVERÃO PRENDER QUEM QUER QUE SEJA ENCONTRADO EM FLAGRANTE DELITO".

E com um uso de retórica e meios linguísticos reversos, o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL)  informou que vai ao MP (Ministério Público) uma representação contra o SBT e a jornalista em questão alegando que ela fez "apologia ao crime".  - Onde já se viu que a legítima defesa (já engessada devido a lei de desarmamento civil) é um crime? Esse partido assim como os outros declaradamente socialistas se manifestam veementemente contra as punições rigorosas a criminosos e são os primeiros a se calar quando os marginais agem com liberdade... ou acham que alguém manifestou solidariedade pela policial da UPP morta em serviço da segurança pública?

(Para os bandidos a secretária dos Direitos Humanos Maria do Rosário chora e manifesta apoio incondicional, mas para os pais de família que morrem lutando contra o crime...só silêncio!)

Além de muitos outros blogs, sites de notícias, opiniões e militantes de uma ditadura iminente denunciam, repudiam e execram as opiniões de uma das poucas jornalistas que manifestam justamente o que é de direito...o de se defender ! As pessoas estão sendo tão ludibriadas com o anseio por segurança que inconscientemente (alguns consciente) sugerem mais interferência do Estado na vida particular das pessoas favorecendo o regime desejado pelo governo atual do Brasil.

A coisa está ficando cada vez mais sério no Brasil; quando começam o agitamento por motivos de opiniões é porque a liberdade está respirando por aparelhos. 

      



EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

4 comentários:

  1. Querido Ezequiel inteligentemente tu fez a leitura da situação de modo que poucas pessoas o fazem. É muito bom ter um amigo como você Um abraço querido. Jesus lhe abençoe.

    ResponderExcluir
  2. .....é Brasil!!!! Jesus nos socorre! nos livre e nos proteja!
    forte abraço ao amigo Ezequiel. Grande texto!
    do amigo em Cristo
    pastor Ismael - "Aqui eu Aprendi!"

    ResponderExcluir
  3. ótima postagem, tentei entrar no grupo, mas deu erro.
    Que Deus nos abençoe.

    ResponderExcluir
  4. Muito Bom caro Ezequiel. Cheira-me que o grupo de apoio à Rachel Sheherazade foi derrubado. Eu não estou a conseguir aceder.

    ResponderExcluir