quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

UMA PALAVRA SOBRE O FEMINSMO






VOCÊ PRECISA DIFERENCIAR CLARAMENTE O FEMINISMO, DA MULHER E DA FEMINILIDADE.

FEMINISMO É UM MOVIMENTO POLÍTICO QUE, DA MESMA FORMA QUE O MODELO MARXISTA, PROCLAMA QUE A HISTÓRIA É UMA LUTA DE CLASSES; AQUI PROCLAMA QUE A HISTÓRIA É UMA GUERRA DOS SEXOS E QUE, DE FATO,  A FUNÇÃO DA HISTÓRIA SERIA LIBERTAR AS MULHERES DA OPRESSÃO QUE ELAS ESTÃO SUJEITAS PELOS HOMENS.  ENTÃO É UMA VISÃO DE MUNDO, QUE EU CHAMO DE COMUNITARISMO VITIMISTA, COM UM ASPECTO MONODETERMINISTA, QUE QUER DIZER ‘’AS MULHERES SÃO ALIENADAS PELOS HOMENS E TEM DE SE LIBERTAR DA OPRESSÃO MASCULINA’’ ESTA É A PRIMEIRA DEFINIÇÃO DE FEMINISMO.

ELAS MANIPULAM AS REIVINDICAÇÕES FEMINISTAS, ALGUMAS SÃO FREQUENTEMENTE LEGÍTIMAS, DE LIBERTAR A MULHER, PARA NA REALIDADE, TORNÁ-LAS SERVAS DA SOCIEDADE DE MERCADO E ASSALARIADA, QUE SÃO A MESMA COISA, JÁ QUE VOCÊ PRECISA DE SALÁRIO PARA CONSUMIR.

ENTÃO, DE FATO, AS EXIGÊNCIAS FEMINISTAS POR EMANCIPAÇÃO COSTUMAM TRANSFORMÁ-LAS EM ASSALARIADAS, TORNÁ-LAS  TRABALHADORAS ASSALARIADAS E CONSUMIDORAS. É UM PROCESSO EM DUAS ETAPAS.

ISSO SE INICIOU NOS EUA, COM O QUE SE CHAMA DE ‘’TEORIA DA NOVA MULHER’’, QUE CONSISTE EM TIRAR A MULHER DE CASA, DE UMA FUNÇÃO NÃO-MERCANTIL, SEM PODER DE COMPRA DIRETO, E ENTÃO LHES FAZER SENTIR CULPA E AO MESMO TEMPO FORÇAR A SUA CONSCIÊNCIA  A PENSAR  QUE SER DONA DE CASA, ESPOSA É UMA ALIENAÇÃO, UM SOFRIMENTO, UMA FORMA DE HUMILHAÇÃO, E POR FIM, FAZÊ-LAS MUDAR DA ESFERA DE INFLUÊNCIA DO MARIDO PARA A DO PATRÃO, O QUE É UM POUCO AMBÍGUO.

E NO FIM DAS CONTAS, VOCÊ PERCEBE QUE AS MULHERES TERMINAM, GRAÇAS A LUTA FEMINISTA, POR SOFRER UMA ‘’DUPLA ALIENAÇÃO’’ QUE É A DE SUPORTAR O MARIDO E O PATRÃO.

É O QUE ALGUNS CHAMAM DE JORNADA DUPLA: SER MÃE, ESPOSA E TRABALHADORA ASSALARIADA. O QUE COM FREQUÊNCIA, ESPECIALMENTE NA CLASSE POPULAR, AGRAVOU SUA SITUAÇÃO COTIDIANA E NÃO MELHOROU.

E ISSO NOS TRAZ PARA OUTRA ANÁLISE, QUE É A DE QUE, FINALMENTE, O FEMINISMO NÃO TRANSCENDE A LUTA DE CLASSES, PORQUE, NA VERDADE, O FOCO DA EMANCIPAÇÃO FEMINISTA FREQUENTEMENTE TEM SIDO OS INTERESSES DAS MULHERES DA BURGUESIA QUE RARAMENTE O IDENTIFICAM COMO TAL. NA VERDADE ¾ DAS MILITANTES FEMINISTAS SÃO BURGUESAS , QUE TENTAM SE EMANCIPAR DE SEUS PAPEIS DE MÃE DE FAMÍLIA, ESPOSA, SEU STATUS DE DEPENDENTE PARA IR À SOCIEDADE CIVIL, QUE É QUE PARA ELAS É UM AVANÇO, JÁ QUE SIGNIFICA TER PROFISSÕES INTERESSANTES, ELAS PODEM SER ADVOGADAS, PESQUISADORAS, TER UMA LIVRARIA ETC, AO PASSO QUE PARA AS MULHERES DE CLASSE POPULAR, NÃO É APENAS CUIDAR DA CASA E DAS CRIANÇAS, MAS ACIMA DISSO, SER UMA TRABALHADORA DE LINHA DE PRODUÇÃO.

E O QUE É BEM INTERESSANTE, É QUE PARA A CLASSE POPULAR, E EMANCIPAÇÃO, PELO CONTRÁRIO, SERIA ESCAPAR DOS CONSTRANGIMENTOS DA PRODUÇÃO E DO SISTEMA ASSALARIADO. TORNAR-SE UMA MULHER SUSTENTADA OU DONA DE CASA, QUE É UM LUXO É UMA ASPIRAÇÃO DAS MULHERES DA CLASSE TRABALHADORA, ESCAPAR DO IMPERATIVO DE PRODUÇÃO, DO TRABALHO, ENQUANTO QUE PARA A BURGUESIA É ESCAPAR DO TÉDIO, O TÉDIO DA CASA, DA MULHER BURGUESA, PARA TER ACESSO A UMA VIDA SOCIAL MAIS INTERESSANTE, PROFISSÕES MAIS INTERESSANTES, O QUE SIGNIFICA QUE HÁ UMA OPOSIÇÃO, EM TERMOS DE CLASSE,  ENTRE AS AMBIÇÕES DA MULHER  BURGUESA, EM TERMOS DE EMANCIPAÇÃO, E AMBIÇÕES DA MULHER DA CLASSE TRABALHADORA.

 O FEMINISMO RARAMENTE IDENTIFICA ESTA CONTRADIÇÃO, E É MUITO FÁCIL VER QUE A MAIORIA DAS LÍDERES FEMINISTAS SÃO MULHERES DA BURGUESIA, CORRESPONDE A SENSIBILIDADE DA ESQUERDA BURGUESA.

ENTÃO, ESTE É O TRABALHO QUE EU TENHO FEITO QUE EU NÃO CONSIDERO CONTESTÁVEL, MAS QUE FOI CRITICADO DEMAIS, GERLAMENTE SEM PRESUMIR AS MINHAS INTENÇÕES. MACHISMO, DESDENHO POR MULHERES, ETC...

É POSSÍVEL QUE UMA MULHER SEJA UMA TRABALHADORA ASSALARIADA DESDE QUE ALGUÉM TOME CONTA DAS SUAS CRIANÇAS PEQUENAS, COM FREQUÊNCIA, O QUE NÓS ESQUECEMOS É QUE POR TRÁS DAS MULHERES FEMINISTAS LIBERTAS, EXISTE UMA OUTRA MULHER, QUE SOFRE UMA DUPLA ALIENAÇÃO: A EMPREGADA, POR EXEMPLO. OU A BABÁ QUE CUIDA DA CRIANÇA DA BURGUESA EMANCIPADA E DE SEUS PRÓPRIOS FILHOS, ENTÃO NA VERDADE A EMANCIPAÇÃO FEMININA COM FREQUÊNCIA ACONTECE ÀS CUSTAS DE OUTRAS MULHERES QUE SOFREM DUPLA ALIENAÇÃO PORQUE ENFRENTAM TODOS OS PROBLEMAS AO MESMO TEMPO: DAR A LUZ, CRIAR SEUS GAROTINHOS E TRABALHAR TAMBÉM; ISTO É, MULTIPLICAM O TEMPO DE TRABALHO, MAS OS DIAS NÃO SE ESTICAM, E AS MULHERES NÃO POSSUEM MAIS UBIQUIDADE DO QUE OS HOMENS; ENTÃO COMO VOCE DÁ CONTA DAS SUAS CRIANÇAS QUANDO TEM QUE TRABALHAR 8 HORAS POR DIA? ESSA É A QUESTÃO.

AGORA ALGUMAS MULHERES PODEM PAGAR UMA BABÁ E IR TRABALHAR, O QUE SIGNIFICA QUE ELAS TEM QUE GANHAR MAIS QUE A BABÁ, MAS PARA AS MULHERES DA CLASSE TRABALHADORA, UMA BABÁ PODERIA LHES CUSTAR MAIS DO QUE ELAS MESMAS  CONSEGUEM GANHAR, ENTÃO NÃO É UMA ESCOLHA LIVRE, É UMA QUESTÃO DE CLASSE SOCIAL.

E FREQUENTEMENTE ACABA EM, AO MENOS NA CLASSE POPULAR, JORNADA DUPLA. PORQUE HOJE, REALMENTE O ‘’DIREITO’’ AO TRABALHO É UM EMBUSTE. É UMA OBRIGAÇÃO TRABALHAR. PRATICAMENTE NENHUM CASAL, HOJE EM DIA, CONSEGUE SE MANTER  COM SÓ UM SALÁRIO  NA CASSE TRABALHADORA (O QUE DEMONSTRA UMA REGRESSÃO SOCIAL POR SINAL) VOCÊ NECESSITA, NAS FAMÍLIAS DA CLASSE TRABALHADORA OU POBRES DE COLARINHOS BRANCOS, DOIS SALÁRIOS PARA QUE A CASA SOBREVIVA. ENTÃO SE ELA DEIXA DE TRABALHAR, ATUALMENTE É UM LUXO PARA CLASSE TRABALHADORA.  ELA TEM QUE TRABALHAR.

ENTÃO O QUE O FEMINISMO CONSIDERA FRUTO DE SUA LUTA, O DIREITO AO TRABALHO ASSALARIADO, É NA VERDADE UMA OBRIGAÇÃO... É UMA OBRIGAÇÃO E É O QUE DESEJA O SISTEMA MERCANTIL JÁ QUE ESSE MERCADO EM ETERNO CRESCIMENTO, TEM INTERESSE EM EXPANDIR O ASSALARIAMENTO E O PODER DE COMPRA: A CAPACIDADE DE CONSUMIR.

ENTÃO, REALMENTE, O QUE AS FEMINISTAS CONSIDERAM O FRUTO DE SUA LUTA FOI NA VERDADE A VONTADE OCULTA DA SOCIEDADE DE MERCADO: ‘’COLOCAR AS MULHERES NO MERCADO ASSALARIADO E CONSUMIDOR’’. POR ISSO QUE AS FEMINISTAS, QUE SEMPRE FORAM POUCAS, SÃO SEMPRE MIMADAS PELA MÍDIA E PELO PODER, DIFERENTES DAS LUTAS SOCIAIS UNISSEX, PORQUE NA VERDADE ELAS SEM SABER ESTÃO AGINDO NAS MÃOS DA SOCIEDADE DE MERCADO E DA SOCIEDADE DE CONSUMO.

E É POR ISSO QUE EU DIGO QUE AS FEMINISTAS, EM RETROSPECTIVA, APARECEM FINALMENTE COMO SENDO UMAS IDIOTAS ÚTEIS DA SOCIEDADE DE MERCADO, DA SOCIEDADE DE CONSUMO E DA SOCIEDADE ASSALARIADA, EM GERAL.
ONDE QUER QUE O FEMINISMO ASCENDA, GERALMENTE AS LUTAS DE CLASSE E A CONSCIÊNCIA DE CLASSE REGRIDEM. E POR ISTO, O FEMINISMO É UM TANTO AMBÍGUO. QUANTO MAIS BURGUESA, LIBERAL E ‘’BOBA’’ UMA SOCIEDADE SE TORNA MAIOR DISPARIDADE ENTRE RICOS E POBRES SE ALCANÇA, MAIS FEMINISTAS VOCE VERÁ E MAIS PODER LHES SERÁ DADO; É UMA OBSERVAÇÃO CONSISTENTE ENTÃO.
EU CREIO QUE INFELIZMENTE QUE AS FEMINISTAS DESEMPENHAM UM PAPEL DE IDIOTAS ÚTEIS NESTA QUESTÃO.

EU TENHO RESPEITO POR TODAS AS MULHERES QUE DECLARAM QUE NÃO SERÃO JAMAIS FEMINISTAS; MARGUERITE YOURCENAR RIDICULARIZOU AS FEMINISTAS PORQUE ELA VIU O  ‘’ARDIL-22’’ , MULHERES DE INTELIGÊNCIA SUPERIOR, QUE SÃO CONSCIENTES DE SEU SER E QUE DESEJAM LUTAR PELA SUA LIBERDADE, SEMPRE DENUNCIARAM AS MENTIRAS, A IGENUIDADE, A ESTUPIDEZ DO COMBATE ESTRITAMENTE FEMINISTA. E MESMO ÍCONES FENINISTAS COMO A SRª HAMILI, QUE ESCREVEU UM LIVRO, NÃO FAZ TANTO TEMPO, ONDE BASICAMENTE ADMITE QUE ELA QUERIA IRRITAR SEU PAI E É UMA QUESTÃO EDÍPICA BURGUESA.

GERALMENTE O FEMINISMO É APENAS UM ACERTO DE CONTAS EDÍPICO BURGUÊS, O EXEMPLO MAIS FLAGRANTE SERIA SIMONE DE BEAUVIOR; ELA É A PROVA DE QUE O FEMINISMO É UMA MERDA, INTEGRALMENTE; A RELAÇÃO DELA COM SUA FAMÍLIA, COM SARTRE, COM A ESQUERDA, COM OS HOMENS, É DE UMA IGENUIDADE QUE É APENAS IGUALADA... ENFIM, É MESQUINHO, MALICIOSO E DESONESTO. E EU GOSTARIA QUE PESSOAS INTERESSADAS NESSA QUESTÃO TENHAM A HONESTIDADE DE ANALISAR, RETROPESCTIVAMENTE, O QUE SIMONE DE BEAUVIOR REPRESENTA QUANDO CONCERNE A PRODUÇÃO FILOSÓFICA, SEU COMPROMETIMENTO POLÍTICO, SUA, COMO DIRIA, AMBIGUIDADE DE SOCIALITE, ESTÁ LONGE DE SER BRILHANTE, EU PREFIRO PENSAR EM LOUISE MICHEL. 

Comentário de Alain Soral - escritor, ensaísta, jornalista e intelectual francês. Sua opinião acima é parcialmente coerente com a vertente conservadora, parcialmente pois ele é um tanto marxista, o que reflete sua atribuição do feminismo ao sistema capitalista. Ele só cita nomes de personagens franceses porque ele se refere o movimento no seu contexto proviciano.


EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Pastor é decapitado por mulçumanos na Tanzânia



Um pastor cristão foi recentemente decapitado no país de maioria muçulmana: Tanzânia. Massacrar minorias cristãs está se tornando cada vez mais comum em grande parte do mundo muçulmano, o contexto para este último abate é um pouco diferente do que as formas usuais de perseguição aos cristãos sob o islã - como acusações de "blasfemar" o nome do profeta muçulmano Maomé. 

Em 11 de fevereiro, o Pastor Mathayo Kachili da Tanzânia Assembléias de Deus Igreja foi decapitado por muçulmanos. De acordo com o relatório, um porta-voz do departamento de polícia local disse que conflitos foram frequentes por um bom tempo agora na área onde uma seção do que se acredita ser líderes muçulmanos haviam exigido o encerramento imediato de açougues pertencentes a cristãos. Ele disse que um grupo de jovens acredita ser muçulmanos atacaram vários cristãos usando paus e facões e atacou um proprietário de açougue na cidade Buseresere. Durante os confrontos o pastor Kachili foi decapitado.

De acordo com o Monitoramento de Liberdade Religiosa este último assassinato "tem sua origem em um debate feroz atualmente na Tanzânia. Aparentemente, é uma" tradição de longa data ", na Tanzânia, os muçulmanos têm o monopólio sobre a indústria da carne. Recentemente, os cristãos em Geita distrito, região de Mwanza - na margem sul do Lago Vitória - entraram no comércio de carnes causando indignação entre os muçulmanos ".

As tensões chegaram ao ponto que o Ministro de Estado no Gabinete responsável pelas relações sociais do presidente categoricamente determinou que a tarefa de abate de animais para consumo público deve ser executado apenas por muçulmanos. Ele disse que as pessoas de outras religiões podem abater animais se a carne é exclusivamente para a família / consumo privado - mas certamente não para venda ou consumo pelo público em geral ".

Mas se eles ainda insistem em trabalhar no comércio, em seguida, eles devem, de acordo com Karl Lyimo do Cidadão, ser "pronto, disposto, capaz e feliz em seguir os rituais islâmicos ao pé da letra" - o que equivale a dizer cristãos precisam se converter ao islamismo se quiserem permanecer no negócio.

Será que este conflito simplesmente giram em torno de medos dos muçulmanos erroneamente comer carne impuras, ou, como se tem visto, são muçulmanos atacando e matando os não-muçulmanos por ser concorrentes comerciais, enquanto articulando sua hostilidade com a roupagem de piedade islâmica?

Por exemplo, em março de 2010 no Paquistão - um país que compartilha nem raça, língua nem cultura com a Tanzânia, que compartilha apenas o Islã - Rasheed Masih, descrito como um "cristão devoto", foi abatido por homens muçulmanos "com golpes de machado várias vezes por se recusarem a se converter ao Islã ". Mais cedo, os "seis homens havia ameaçado Masih Rasheed de 36 anos a menos que ele se converta ao Islã. De acordo com um pastor que conhecia Rasheed, sua família reforçava em negócios e ganhava mais, os muçulmanos começaram a ter conflitos de negócios com os muçulmanos que não estão acostumadas a ver os cristãos mais respeitado e mais rica do que eles.  Eventualmente, ele foi atraído para uma de suas casas de fazenda, onde ele foi abatido a golpes repetidas de machado. A autópsia revelou que ele tinha 24 feridas.

Onde vem essa idéia de que minorias não-muçulmanas não deve ser autorizado a competir com os muçulmanos ? Dos ensinamentos islâmicos e doutrinas, que reverberam através dos séculos. Por exemplo, nas Condições famosos de Omar (também conhecida como Pacto de Omar), juntamente com qualquer número de humilhações os cristãos subjugados também teve de concordar em não construir casas junto das casas muçulmanas, já que isso poderia implica um status mais elevado. Na era medieval, islâmicos pesos pesados ​​como Ibn Taymiyya - ainda reverenciado entre muitos muçulmanos, especialmente salafistas decretavam que os não-muçulmanos entre eles, devem ser demitidos de seus cargos. Séculos antes, o califa Harun al-Rashid ao contrário, retratado no Ocidente como um ''divertido'' califa - também demitiu cristãos de suas posições de emprego para empobrece-los sem mencionar que destruiu numerosas igrejas.

De acordo com a visão de mundo islâmico os cristãos não podem ser melhores do que os muçulmanos. E se eles são  apesar de todos os obstáculos estabelecidos pela lei islâmica, fazem de tudo para ver que eles não são - então, como estamos vendo cada vez mais os muçulmanos atrofiam o status quo, agindo com as próprias mãos.

Por Raymond Ibrahim



Ezequiel Domingues dos Santos

Comunidade de cristãos são atacados por extremistas hindus na Índia

India Secrets.jpg



    Se já não bastasse a imensa perseguição que cristãos ao redor do mundo sofrem, nessa fato os policiais indianos ficaram de camarote assistindo os 300 cristãos apanhando e sendo aterrorizados por jovens extremistas hindus de caráter nacionalistas; o preconceito nesses lugares não estão apenas em civis mas em todas as classes sociais que além de menosprezarem e negarem todos os direitos a minorias, criam-se facções para exterminá-las. Que Deus abençoe a Índia e fortaleça essa corajosa comunidade de irmãos.

Veja o texto no site Portas Abertas

Ezequiel Domingues dos Santos

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Uma nação de extremistas





Já se tornou prática geral da nossa mídia, quase uma norma de redação, carimbar como “extremista de direita”, sugerindo a conveniência de excluí-lo do debate decente, quem quer que se oponha ao abortismo, à eutanásia, à lei da mordaça gay , ao desarmamento civil, ao neo-racismo anti-racista e a outros itens do cardápio jurídico-moral servido às nações pelos autonomeados governantes do mundo.

Acontece que, segundo vêm mostrando repetidamente as pesquisas do Datafolha, a maioria do povo brasileiro se inclui precisamente nessa categoria. Mais de sessenta por cento dos nossos compatriotas vêem com mal disfarçada hostilidade os novos padrões de conduta que o governo, os jornais, a TV, o cinema e as escolas lhes querem impor como normativos e obrigatórios.

Em contrapartida, se somarmos todos os jornalistas, intelectuais, ativistas, ongueiros, empresários, banqueiros, políticos e burocratas que escolhem as opiniões aprovadas e condenadas, não obteremos um por cento da população nacional. Vamos portanto entrando num novo tipo de democracia, em que uma elite minúscula, montada no poder do dinheiro, do ativismo e da propaganda, marginaliza e criminaliza a maioria, sempre a pretexto de libertá-la das trevas da ignorância e conduzi-la ao paraíso da igualdade, da não-discriminação e dos direitos humanos.

A diferença é que essa minoria se reúne, se adestra, se organiza, suga e junta recursos, ocupa espaços, acumula poder e age sem parar. A maioria, amorfa e dispersa, a tudo assiste, boquiaberta e passiva, às vezes desejando reagir mas sem saber nem por onde começar.

A minoria não aceita contradição. Quando frustrada nas suas exigências, entende isso como recuo tático provisório, voltando à carga depois de algumas semanas. A maioria, justamente porque percebe a absurdidade das pretensões minoritárias, apega-se à esperança suicida de que tudo seja uma moda passageira, sem saber que se trata de uma estratégia abrangente preparada ao longo de mais de setenta anos sob o patrocínio de algumas das maiores fortunas do universo e calculada para desembocar na utopia de Herbert George Wells: o “mundo planejado”. Embora os preparativos para essa maravilha sejam abertos, públicos e fartamente documentados, convencionou-se que mencioná-los é “teoria da conspiração”, rótulo infamante que ninguém quer atrair sobre si.

Para completar, a minoria ambiciosa é totalmente desprovida de escrúpulos, não hesitando em falsificar estatísticas em massa, suprimir os fatos adversos, calar pelo boicote e pela intimidação as vozes discordantes e paralisar o adversário por meio de chantagem emocional, fazendo-se de vítima perseguida e clamando por socorro policial cada vez que ouve a palavra “mas”. A maioria, apegada aos resíduos de uma civilização milenar, ainda acredita estar diante de pessoas razoáveis e cordatas, das quais é possível obter concessões mediante argumentação e diálogo. Anestesiada por essa crença ilusória, vai ela própria fazendo concessão em cima de concessão, até o dia em que nada mais lhe restará para conceder, porque tudo lhe terá sido tomado. 

Extraído do site Olavo de Carvalho

Ezequiel Domingues dos Santos

Conselho de Psicologia e a inquisição gayzista





No dia 22/02 o Conselho Federal de Psicologia (CFP) novamente move um processo contra a psicóloga Marisa Lobo com uma possível cassação de seu registro de psicóloga por causa de sua confissão pública de   fé em redes sociais. Desde 2011 a psicóloga é denunciada de fazer declarações homofóbicas, e agora o conselho acrescenta a acusação de racismo.
Gnotícias

Não só com ela, mas também já moveram processos contra o pastor/psicólogo Silas Malafaia pelos mesmos atos. Numa atitude de ''onipotência'' o conselho de psicologia se levanta contra todos os que discordarem do comportamento gay e agora criminalizam a expressão religiosa dos profissionais da área.

Também, promoveram essa regra absurda e engraçada algum tempo atrás o qual proibiram qualquer psicólogo de orientar um homossexual de deixar essa prática (mesmo com o pedido do paciente), mostrando que a psicologia desse conselho não visa o bem-estar do sujeito mas a ideologização já impregnada nessa sociedade do comportamento com os maiores privilégios no mundo.

A gestão do atual conselho de psicologia é pautado por uma agenda política totalmente alheia aos interesses do profissional de psicologia.

Ao longo de toda História, nunca um comportamento foi tão protegido, tão acariciado pelos movimentos sociais e tão imunizado contra críticas e tão aplaudido pela mídia que qualquer pensamento que se levante levemente contrário já é categorizado como homofóbico sem notar a definição real do termo; a proteção legal que se revindica para o homossexualismo é tão megalômana e desproporcional com os direitos das demais pessoas e grupos que resultará como o padrão de comportamento para todos e blindado de qualquer opinião contrária como se fosse um comportamento humano superior.

Se nota claramente a incrível ferocidade que é atribuída a homofobia com a religião cristão, mesmo se todos cansarmos de falar que mesmo que nas Escrituras dizem que os sodomitas e efeminados irão para o inferno não significa que os tais são inferiores a nós, porém, o conselho de psicologia está forçosamente travando uma guerra cultural onde só é permitido eles argumentarem e denunciar os opositores; vemos que a democracia, liberdade religiosa e de expressão estão respirando por aparelhos.

Penso eu que a grande massa da população cristão só vão encarar com mais seriedade essa injustiça e crimes de falsidade ideológica contra essas militâncias quando realmente as leis inferirem suas vidas privadas; queira Deus que se levantem mais psicólogos de coragem e denunciar esse pseudo-conselho que, assim como outras instituições acadêmicas e orgãos do governo está adoecendo a já moribunda intelectualidade brasileira e castrando todas as formas de cultura que vão contra o establishment que ironicamente revindica a diversidade cultural.





Ezequiel Domingues dos Santos

sábado, 23 de fevereiro de 2013

O culto a juvenilidade e a depreciação da velhice

Com o passar dos tempos o modo de olhar a vida muda assim como seus valores e valorações em muitos aspectos. Esse vídeo  fala o porque do menosprezo da melhor idade e a exaltação da juventude como status         apreciadamente humano; o porquê do esquecimento da aparência de sabedoria atribuída ao ancião e o seu respeito, o orgulho dos jovens e seus equívocos.

No vídeo Alexandre Duguin explana sua visão sobre essa visão pós-modernista a respeito da velhice e suas qualidades. Minha visão política diverge dele em sua totalidade pois ele é o idealista do Eurasianismo; também discordo dele em atribuir a modernização como a causa da depreciação do idoso e muito mais fazer dos EUA e seus jovens como mentores dessa cosmovisão (apesar de ter sua parcela de contribuição),mas considero o vídeo bom para se pensar e detectar nossa maneira encarar o transcorrer da vida e o grau de nossa estima para com aqueles que construiram nossa sociedade passando bons ensinamentos.





Ezequiel Domingues dos Santos