sábado, 12 de outubro de 2013

REPÚBLICA BANDITISTA DO BRASIL


Que o partido que nos governa (PT) tem ligações íntimas com os narcotraficantes colombianos (FARC) ninguém duvida, e que esses guerrilheiros terroristas têm relacionamento profundo com a maior facção criminosa do Brasil (PCC) é mais do que uma verdade - é a resposta do porque que o crime está cada vez mais organizado.

Mas para haver organização no crime, é necessário aparatos políticos, que fica por conta de nada mais e nada menos que o Partido dos Trabalhadores. Será que isso explica o porquê de tantos benefícios e afrouxamento de punições dado aos bandidos enquanto a sociedade fica perplexa com medo até da própria sombra?  

O partidão usa do pensamento que permeia o mundo politicamente correto dos "direitos humanos" enquanto poderia chamar "privilégio dos marginais"; os humanos de bem só fica a mercê de uma política pública que favorece o banditismo desde as esferas do poder até nas "férias" das prisões - onde os marginais são soltos para curtir feriados como se não representasse perigo para os humanos que precisam de seus direitos cumpridos.

Desde a ascensão do PT ao poder, é gradativo a exaltação, o fortalecimento e a consolidação do crime organizado como uma instituição a ponto de revindicar até mesmo o direito de se tornar um partido político. Alguém dúvida que isso não aconteça? Basta liberar o comércio de drogas; basta extinguir a polícia militar como sugeriu a ONU; vejam as FARC que já tem representantes políticos e magistrados na Colômbia.

Percebe a simpatia que o crime organizado tem para com o PT. Desde 2006 há ordens para que os aliados do Primeiro Comando da Capital votassem no PT; também há ordens (e mantem ativa essa ordem) de matar Geraldo Alckmin do PSDB.

Só não percebe quem não quiser. Há algum motivo para querer matar um e promover o PT? Sim, a redução da severidade (que já não tem) contra criminosos, estreitamento de relações com o eixo do mal latino-americano (Foro de São Paulo) e o golpe comunista por completo no Brasil.

Veja o diálogo dos líderes do PCC com a intenção de "eleger o Genoíno" na campanha eleitoral de 2002 e tire suas próprias conclusões. - texto foi retirado do Blog do Reinaldo Azevedo:

“É PRA ELEGER O GENOINO”
Maria de Carvalho Felício, a “Petronília”, então mulher de José Márcio Felício, ex-líder do PCC, transmite ao preso José Sérgio dos Santos, a quem chama de “Shel”, orientação repassada por um líder da organização sobre as eleições de 2002
Maria de Carvalho Felício: Ele mandou uma missão pro Zildo (piloto-geral de Ribeirão Preto). Vamos ver se o Zildo é capaz de cumprir.
José Sérgio dos Santos: Tá bom. Você quer passar pra mim ou dou particularmente pra ele?
Maria: Não, não. Ele quer festa (ataques) até a eleição. E é pra eleger o Genoíno. E, ser for o caso, ele vai pedir pro pessoal mandar as famílias não irem nas visitas pra votar, entendeu? Ele falou que um dia sem visita não mata ninguém. Ele falou: “Fica todo mundo sem visita no dia da eleição pra todo mundo votar pro Genoíno”.
Santos: Não, mas isso… Acho que todo mundo… A maioria das mulher de preso… Vai votar no Al? Nunca.
Maria: Então, é pra pedir isso. Se, por exemplo, a mulher vai, daí a mãe, a irmã tudo vota pro Genoíno. Se só a mulher que vota, então essa mulher não vai na visita e vota no Genoíno. É pra todo mundo ficar nessa sintonia: Genoíno.
Santos: E é dali que vem, né?
Maria: Isso. É o (incompreensível)
Santos: Tá bom.
Maria: Tá bom, então?
Santos: Tô deixando assim um boa-tarde aí. Se cuida agora. Vai descansar.





EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

Nenhum comentário:

Postar um comentário