terça-feira, 17 de setembro de 2013

UM MUÇULMANO COM SOBRIEDADE



"Nós, muçulmanos cometemos o erro de pensar que os europeus se importam realmente com os palestinos. Estamos completamente errados. A dura verdade é que os europeus costumam intervir em uma crise quando há oportunidades para progredir com sua agenda anti-semita.

Na noite do Ramadã todo mundo recebe lavagem cerebral com propaganda anti-semita pelas TVs árabes e da Al-Jazeera; nos finais é sempre do mesmo modo: A Palestina foi roubada pelos judeus, e esse tipo de incitação empresta a um judeu um poder satânico.

Na minha opinião, a situação chegou a tais proporções dentro do mundo muçulmano que virou uma doença nacional, obsessão coletiva para a qual não vejo nenhuma cura. Nós acusamos os judeus de querer dominar o mundo, mas uma das causas de nossa doença é que queremos que o Islã domine o mundo.

Os países da Europa Ocidental se arremeteram a política de fanatismo na Idade Média com pretexto para separar Igreja e Estado. Hoje o cristianismo é uma questão de consciência pessoal.

Centenas de milhares e até milhões de muçulmanos são abatidos na verdade, por outros muçulmanos como no massacre na Síria e a recente onda de violência em Dafur - a liderança apática da Europa não levantam um dedo.

Para minha grande tristeza, em todos os lugares do mundo onde há muçulmanos não há assassinatos, mas sim, derramamento de sangue em massa e ataques terroristas. Devemos deixar os judeus em paz, eles não são responsáveis por nossas tragédias e odiá-los não vai curar a nação do Islã no século XXI.

Por Alim Salim

Fonte : GATESTONE INSTITUTE

EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

2 comentários:

  1. Que difícil não é? Infelizmente ainda temos que conviver com notícias que nos chocam tanto... Precisamos orar mais e mais a cada dia.
    Parabéns pelo texto Ezequiel. Fica com Deus.
    http://pfaceafacecomdeus.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. É muito triste não saber conviver com este diferença entre povos.
    Todos precisam respeitar e serem respeitados.


    Histórias, estórias e outras polêmicas

    ResponderExcluir