sábado, 20 de abril de 2013

POR QUE O ATEÍSMO É TÃO COMUM NAS UNIVERSIDADES?


Em primeiro lugar precisamos entender o que é ateísmo, porque a maior parte das pessoas ficam num conceito de ateísmo que é etimológico; ou seja, o significado da palavra (a-teísmo = não Deus) então um ateu é uma pessoa que diz "Deus não existe" e tentam viver dessa forma.

Mas se analisarmos em sua profundidade e significados com suas reais estruturas, veremos que o ateísmo é muito mais complexo e com várias facetas de modo que fica insuficiente explicar apenas em sua forma etimológica, mas se formos coligir e recolher todos os tipos de ateísmos, iremos ver que todos terminam em uma atitude fundamental que é o seguinte: o homem se declara autônomo. E para que haja autonomia do ser humano é preciso que seja afastado ou não haja ''outra divindade''.

E por que eu uso a palavra ''outra divindade''? porquê na realidade não existe ateísmo, o que existe é idolatria; ou seja, o homem que se autodiviniza e se coloca no lugar de Deus, seja o homem individual, seja a coletividade do ser humano que começa a determinar o que é certo e o que é errado; muitas pessoas acham que Deus é uma realidade irrelevante para as nossas vidas, que Deus seria algo que não muda o nosso dia-a-dia, uma ideia que com ou sem a qual não interfere em nada no mundo; mas isso não é verdadeiro.

Pense comigo; se existe um Deus, eu não me pertenço e eu sou para Ele, se Ele é o meu Criador eu sou a criatura, Ele é o Oleiro e eu sou o barro, eu devo me deixar modelar por Ele, eu que devo me adequar ao seu projeto, me adequar ao seu plano de Criador; portanto, isso muda a minha vida completamente; ora, o que é que na realidade vemos na prática das nossas universidades de hoje?

O que vemos é que a entrada nas universidades é um momento em que as pessoas começam a conhecer um liberalismo moral muito grande; isso não é uma ideia minha, é uma realidade que pode ser constatada estastísticamente: o público universitário moralmente é muito mais liberal do que as pessoas que não estão no ambiente universitário, e é esse liberalismo moral que termina em fazer com que tantos jovens deslizem na direção do ateísmo.

O caminho é muito simples; o jovem começa a pecar, seja quando ao ir às baladas, seja por pecados sexuais, seja por qualquer tipo de transgressão, é evidente que para o jovem que está entrando no mundo universitário e que talvez carreguem consigo algumas noções religiosas trazidas da família isso causa um conflito interno; mas, eis que então, o professorado das universidades ou até os próprios colegas vem com uma solução mágica - por que que você está com esses dramas interiores, tudo é tão relativo? o certo e o errado somos nós que determinamos - então a pessoa é introduzida no relativismo moral que diz o seguinte: para mim existe um certo e um errado para outra pessoa existe outro certo e outro errado, e se você disse que algo é objetivamente certo e objetivamente errado você é um ditador, você é uma pessoa que está impondo a sua moralidade aos outros..um imperialista moral.

É esse fenômeno que o papa Bento XVI chamava de ''ditadura do relativismo'' em que o homem toma o lugar de Deus, nós vemos que nesse sentido, o campus universitário toma o lugar de onde o homem toma o fruto da árvore do bem e do mal e torna-se um homem para ''além'' dom bem e do mal, ou seja, uma indepedência total onde diz "eu ou deus, eu determino o bem e eu determino o mal". O filósofo Friederich Nietzsche é o porta voz do que vemos em nossas universidades. No seu livro "Assim falava Zaratustra" no capítulo chamado "Ilhas bem aventuradas" ele diz o seguinte aforismo: "Meus irmãos, eu irei abrir claramente minha consciência; se existissem deuses, como não suportaria eu não ser um deus? logo, os deuses não existem.

Vejam que esse raciocínio de Nietzsche não é um raciocínio científico, é uma falácia total, é algo que não se sustenta cientificamente, no entanto, é algo bastante convicente interiormente para as pessoas que vivem o drama de suas consciências, ex: eu vivo na imoralidade e minha consciência diz "Deus não quer isso" como resolver? ao invés de me confessar e pedir perdão e fazer um novo propósito de emendar minha vida é muito mais fácil tirar irracionalmente Deus da lista e achar que eu tive uma informação quadrada, conservadora e ultrapassada afinal, estamos nos tempos modernos ! nós sabemos que aquilo era um pecado antigamente, mas as coisas mudam, cada geração determina o que é pecado ! ou melhor...cada pessoa pode determinar aquilo que bom ou ruim! e sendo assim, nós somos deuses ou nos colocamos no lugar de Deus.

Por isso, o que temos nas universidades não é um crescente ateísmo, mas uma crescente idolatria, é o ser humano que se colocou no lugar de Deus; e já que essa aitute idolátrica é muito incômoda interiormente, então é melhor eu criar uma farsa e fazer de conta que Deus não existe porque assim ele não irá me incomodar. Na realidade então, as nossas universidades são especialistas no seu âmbito em amordaçar as vozes das consciências dos nossos jovens, ali entra-se mais do que um mero ateísmo...entra-se na ditadura do relativismo; liberdade do homem na verdade não é liberdade de estar longe de Deus, porque vemos que quando as pessoas caem nessa ditadura do relativismo, elas se tornam tristes escravas de criaturas mais inferiores ainda, basta olhar para ao nosso ambiente universitário e não veremos que os jovens que estão lá são homens e mulheres totalmente livres mas pessoas escravas do pecado.

É importante lembrar que a virtude não vicia, não se pode dizer que uma pessoa é ''viciada'' em generosidade, mas pode-se dizer que ela é tem o vício da avareza, não se pode dizer que uma pessoa tem o vício da castidade, mas pode-se dizer que ela tem o vício da luxúria; você não pode dizer que uma pessoa tem o vício da sobriedade, mas pode dizer que ela tem o vício do álcool, das drogas e outras coisas mais; enfim, o homem querendo se libertar de Deus...se escravizou e desceu abaixo de sua própria natureza.

Deus não dificulta nossa autonomia, Ele nos liberta através da Verdade. As universidades deveriam ser lugares onde se busca a verdade. Se buscarmos a verdade com "V"maiúsculo ela nos libertará, e fará de nós pessoas que realmente estão a serviço do conhecimento e da ciência; esta deveria ser a vocação de todo universitário.

Por PADRE PAULO RICARDO (algumas adaptaçãos mas não que não fere a mensagem)

Aproveitem leiam o post "Santo Anselmo e a existência de Deus"

EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

2 comentários:

  1. Um blog com discussões bem interessantes. Parabéns pela iniciativa!

    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Vivi nesse mundo universitário e vi que não era pra mim e agradeço a Deus quando eu tomei consciência disso muitos não vem .Pessoas lá falam que ser feliz era beber e outras coisas mais eu entrei em conflito porque tudo o que ensinaram ser errado lá era permitido ou o melhor para fazer.
    Achei interessante você dizer que elas acham tão livres mais são escravos do pecado.

    ResponderExcluir