sexta-feira, 12 de abril de 2013

ÍNDIA: DOIS CRISTÃOS PRESOS SOB FALSAS ACUSAÇÕES DE CONVERSÕES FORÇADAS

                                                               CRISTÃOS NA ÍNDIA

Um grupo de muçulmanos atacou dois homens, cinco mulheres e duas crianças, todos de origem Inglês. A polícia impediu a destruição da casa, mas prendeu dois cristãos. Líder do Conselho Global de Cristãos Indianos (GCIC): "O crescimento da intolerância anti-cristã é alarmante."

“ A intolerância anti-cristã em Jammu e Caxemira está a atingir proporções alarmantes", é a queixa de Sajan George, presidente do Conselho Global de Cristãos Indianos (GCIC), após a prisão de dois cristãos, em Srinagar, a capital de Estado indiano, sob falsas acusações de conversões forçadas.
A perseguição se iniciou em 10 de abril do ano passado, depois de um grupo de muçulmanos atacou dois homens, cinco mulheres e duas crianças, todos de origem britânica.

De acordo com moradores do local do fato, James Thomas, está engajado em atividades de conversão. Então, dois dias atrás, um grupo grande de pessoas atacaram os cristãos, e atiraram pedras em veículos e tentaram destruir a casa.
A intervenção da polícia impediu a demolição e o ferimento dos presentes, mas as autoridades prenderam Tiago e Alora Milli para esclarecer as acusações contra eles.

A polícia confiscou o prédio e os estrangeiros foram evacuados. O imã local disse à polícia que ele havia pdeido várias vezes para os estrangeiros não converter muçulmanos, sem sucesso.
"Agora - acrescentou - não podem mais acessar a área  mesmo se eles não converter ninguém, vou evitar a todo custo.".

"As acusações são falsas e difamatórias” - disse Imam Sajan George - e da cumplicidade da polícia em prender os cristãos são uma grave ameaça para a liberdade religiosa, um direito garantido pela Constituição da Índia."

Jammu e Caxemira é o único Estado de maioria muçulmana da Índia, onde a intolerância religiosa ocorrem com freqüência. Em janeiro passado, um grupo de turistas estrangeiros arriscou ser linchado após a publicação de alguns posts no Facebook. Um caso exemplar remonta a 2011, quando o rev. Chander Mani Khanna, pastor da Igreja de Todos os Santos Anglicana, foi preso por ter batizado sete muçulmanos e então indiciado por um tribunal islâmico (que não tem autoridade legal no Estado ou na Índia, de proselitismo e conversões forçadas.

Fonte em italiano: ÁSIA NEWS

EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

Um comentário:

  1. Bom Dia! Vim conhecer o seu cantinho.
    Parabéns pelo blog. Vim através do grupo Entre Blogs.
    Se você quiser conhecer o meu será muito bem vindo

    http://quandoestougraciosa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir