sexta-feira, 29 de março de 2013

SOBRE GENES GAY - POR DRº FRANCIS S. COLLINS ''A ORIENTAÇÃO SEXUAL NÃO É CONECTADA POR DNA''


Dr. Francis S. Collins, um dos cientistas mais importantes do mundo, que trabalha na vanguarda do DNA, concluiu que "não é um componente inevitável da hereditariedade a muitos humanos traços comportamentais para praticamente nenhum deles é a hereditariedade."

Ao rever a herdabilidade (influência de fatores genéticos) de traços de personalidade, o Dr. Collins referenciou as estimativas da percentagem de vários traços da personalidade humana que pode ser atribuída à hereditariedade.

As estimativas de herdabilidade para características de personalidade eram variados: habilidade cognitiva geral (50%), Extroversão (54%), Socialização (42%), Consciência (49%), Neuroticismo (48%), abertura (57%), agressão (38 )% e Tradicionalismo (54%).

Kirk(2000), em sua pesquisa usando uma coorte de base comunitária de gêmeos australianos relataram uma estimativa de herdabilidade de 30% para a homossexualidade. Whitehead (1999, 2006) em sua extensa revisão da pesquisa cita 30% a estimativa de herdabilidade para a homossexualidade, bem como, se ele vê a estimativa como uma probabilidade máxima.

As estimativas de herdabilidade são baseadas em análises cuidadosas de estudos realizados com gêmeos idênticos. Tais estudos são importantes e levam à conclusão de que a hereditariedade é importante em muitas destas características. É importante, contudo, notar que, mesmo em tais estudos com gêmeos idênticos, que a hereditariedade não é para ser confundido como inevitabilidade.

Como o Dr. Collins concordaria, o ambiente pode influenciar a expressão de genes, e o livre arbítrio determina a resposta a tudo onde as predisposições podem estar presentes.

Dr. Collins sucintamente analisou a investigação sobre a homossexualidade e oferece o seguinte: "Uma área de particular interesse público é a base genética da homossexualidade, evidências de estudos com gêmeos, de fato, a conclusão de que fatores hereditários desempenham um papel na homossexualidade masculina entanto, a probabilidade de que o gémeo idêntico de um paciente homossexual também será gay é de cerca de 20% (em comparação com 24% de masculinos na população geral), o que indica que a orientação sexual é influenciada geneticamente, mas não conectadas por DNA, e que, o que quer esses genes estão envolvidos representam predisposições, não predeterminações ".

Dr. Collins notou que o ambiente, particularmente experiências da infância, bem como o papel do livre arbítrio afetam a todos nós de forma profunda. Como os pesquisadores descobriram níveis crescentes de detalhe molecular sobre fatores herdados que fundamentam nossas personalidades é fundamental que tais dados sejam utilizados apenas para iluminar, mas não como base científica.

Citando esses perigos, o Dr. Collins referiu-se ao livro escrito pelo ativista Dean Hamer, que declarou a descoberta do Gene de Deus (isso mesmo, esse autor também está associada a o livro "gene gay").

Dr. Collins notou que a "evidência"  que está no livro de Hamer  foi amplamente divulgada nas manchetes.

Infelizmente, grande parte da investigação em áreas como a homossexualidade, tem sido não só deturpado na mídia, mas pelos próprios cientistas, através da tendência de superestimar a contribuição quantitativa de suas descobertas.

Talvez o melhor exemplo dessa deturpação da mídia foi os dois estudos realizados por J. Michael Bailey. No primeiro estudo de Bailey, ele relatou uma taxa de concordância de 52%. Em um segundo estudo, Bailey relatou uma concordância de 37,5%, dependendo de como você define vagamente homossexualidade. O primeiro estudo recebeu uma grande atenção da imprensa. O segundo estudo recebeu quase nenhuma atenção.

Bailey próprio reconheceu sua tendenciosidade em seu primeiro estudo - ele recrutou pessoas em locais onde "os participantes consideraram a orientação sexual de seus colegas e de gêmeos antes de concordarem em participar." O segundo estudo, usou o registro australiano Twin com seu formato de resposta anônimo, feito isso, vê-se que esse viés improvável.


 Dr. Steve Simon (em correspondência a um e-mail) observou muito apropriadamente que a hereditariedade é uma medida da relação entre duas variâncias e não é uma simples proporção. Um índice de herdabilidade e uma proporção são calculados em diferentes escalas. Neste caso, no entanto, tanto os dados do índice de hereditariedade e a proporção suportam a conclusão de que a homossexualidade não é programado (ou simplesmente biologicamente predestinado). Embora o Dr. Collins ofereceu uma concordância de 20% para gêmeos monozigóticos, deve-se notar que este número é a concordância de probabilidade. Isso é matematicamente correto. No entanto, o Dr. Neil Whitehead ofereceu uma concordância correta perto de 11%. Para os leigos, deve ser entendido que diferentes respostas surgirão com diferentes modelos. No entanto, a conclusão é a mesma: os dados atuais fornece pouca evidência para apoiar que a homossexualidade é programado geneticamente.

Fonte em inglês: NARTH.COM

EZEQUIEL DOMINGUES DOS SANTOS

28 comentários:

  1. Paz de Cristo Ezequiel quero dizer que é muito bom fazer mais uma amizade em Cristo, sobre a sua postagem o DR Francis só veio a confirmar o que já é fato na ciência, não existe segundo a própria ciência ordem cromossômica gay, porém uma minoria da sociedade apoiada pela mídia tenta enfiar na cabeça da maioria das pessoas de que a pessoa já nasce gay, a verdade é que Satanás cada dia que passa vem ganhando forças com suas filosofias vãs e tradições humanas conforme esta escrito la em Colossenses que o Senhor tenha misericórdia de nós amém.

    ResponderExcluir
  2. Olá Ezequiel! Estou passando para retribui e agradecer a sua visita, o seu blog é ótimo, passarei mais vezes pra ver as novidades...Também sou novata em blog.Vamos crecer juntos.
    Abraços
    Marilene

    Blog/marilene folhasFloreseSutilezas

    ResponderExcluir

  3. Olá,
    sou seguidora do blog Crescimento cristão participante do "Grupo Entre Blogs "
    e vim retribuir a sua visita e seguir!

    Amei o seu cantinho!


    POR FAVOR CURTA MINHA FANPAGE!

    FANPAGE: http://www.facebook.com/ZiziParaOsAmigos
    Retribuo com o maior prazer!

    Aproveite e leve o selinho que ofereço para seguidores!

    Beijinhos.

    ResponderExcluir


  4. LINDOS OS SEUS TRABALHOS!!!
    FELIZ PÁSCOA JUNTO COM SEUS ENTES QUERIDOS!


    Essa é a minha participação na segunda gincana 2013 dos amigos do blog Rio Sul (Trocyn Bão).

    EU ESTOU NO 3º LUGAR E A VOTAÇÃO VAI ATÉ O DIA 30/03!

    AINDA HÁ TEMPO, POR FAVOR ME AJUDE!!!

    O tema é sobre a mulher.
    http://www.riosul2012.com/2013/03/ser-mulher-zizi.html

    Por favor dê o seu voto a este texto na lateral do blog dele no nome Euzira(Zizi)
    (no alto do meu blog tem uma imagem é só clicar que cai lá)

    Eu agradeço de coração!

    ResponderExcluir
  5. olá, vi seu blog na agenda dos blogs e passei para conhecer, qundo puder visite meu blog romafegu.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. oi boa noite faço parte do entre blogs , vim te fazer uma visita e ja estou te seguindo ,ficarei muito feliz se me fizer uma visita

    ResponderExcluir
  7. Olá Ezequiel,a paz de Cristo.Faço parte do blog teísmo racional,o qual vc tbm segue.Um artigo muito interessante, principalmente pq referencia à uma das maiores autoridades em genética,que apresenta provas irrefutáveis sobre o gene gay.Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  8. Irmão Ezequiel, Muito bom este artigo. Como sempre, aprecio muito seus posts. do amigo em Cristo
    Pastor Ismael

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tentei traduzir mais fielmente possível pra permanecer claro o assunto rsrs. Muitíssimo obrigado pela consideração, seus comentários enriqueceram alguns posts meus. Deus abençoe seu ministério Ismael.

      Ezequiel DOmingues dos Santos
      wwww.ezequiel-domingues.blogspot.com

      Excluir
  9. Sugiro ler o artigo abaixo, que esclarece as interpretações equivocadas das declarações do DR. Francis Collins. E pelo que lí neste blog, esses equívocos continuam tanto neste post, quanto nas opiniões.

    A evidência que temos no momento apoia firmemente a proposta de que existem fatores hereditários na homossexualidade masculina

    http://wthrockmorton.com/2008/09/what-did-francis-collins-really-say-about-homosexuality/

    Abraços, Fábio Alvarenga

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Fábio, obrigado pelo comentário e pelo link; eu li, mas pelo pouco tempo de hoje li correndo e não deu pra absorver, mas depois irei ler com calma; a proposta do blog é sempre ir em direção à verdade mesmo sendo discordante aos valores solidificados.

      Bom dia
      Ezequiel Domingues dos Santos

      Excluir
  10. Manifesto da Sociedade Brasileira de Genética sobre bases genéticas da orientação sexual

    7 de março de 2013

    A Sociedade Brasileira de Genética endossa as informações fornecidas pelo biólogo Eli Vieira em resposta ao pastor e psicólogo Silas Malafaia acerca das bases genéticas da orientação sexual.

    A orientação sexual humana é uma característica multifatorial, influenciada tanto pelos genes como também pelo ambiente. Há fortes evidências de que o substrato neurobiológico para a orientação sexual já está presente nos primeiros anos de vida. Não há evidência de nenhuma variável ambiental controlável capaz de modificar de maneira permanente a orientação sexual de um indivíduo. Assim, essa faceta do comportamento humano é resultado de uma interação complexa entre genes e ambiente, em que nenhum dos dois tem efeito determinante por si só. Alegar que a genética nada tem a contribuir na compreensão da origem deste comportamento é ignorar meio século de avanços na nossa área.

    Entendemos, também, que os fatos acerca dessa questão são desvinculados do debate ético sobre os direitos das pessoas que manifestam orientações sexuais e identidades de gênero.

    No entanto, neste momento histórico em que o físico Stephen Hawking faz campanha para que o governo britânico se retrate pelos males que causou a Alan Turing, homossexual e pai do computador, expressamos que nós, como cientistas, desejamos um mundo mais igualitário, em que as pessoas não sejam julgadas pela sua orientação sexual ou identidade de gênero, mas apenas pela firmeza de seu caráter. Um mundo assim é um mundo mais receptivo ao pensamento científico, que se constrói de forma humilde e tentativa, em vez de dogmática e impositiva

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Fábio, bom dia!
      Assim que saiu esse manifesto da SBG eu logo a li, muito me admira não surtir repercussão midiática, quanto mais se tratando da entrevista de Silas Malafaia no "de frente com Gabi" que causou comoção nas Ongs LGBT e teve milhares de acessos no youtube.
      Faltou mais consistência essa opinião porque não foi de encontro com todos os pontos expressos pelo psicólogo; tem sua parcela de verdades sim quando diz respeito aos fatores externos, mas deixa a desejar em se tratar dos componentes genéticos (isso porquê é área deles). E o que reduz a credibilidade desse manifesto é o fato de pegar carona na repercussão para "endossar" o discurso do estudante em Cambrigde que disse coisas desconexas quanto aos estudos do assunto chegando a dizer inverdades (se não me engano parece que há um vídeo de resposta do pastor) e também pela SBG não ter o seu próprio parecer total; fazendo assim do vídeo, uma muleta diante das questões em pauta. Ela se viu forçada a se manifestar como representante legal do assunto científico após a enxurrada de informações articuladas da entrevista. E por fim, a SBG disse que desejamos "um mundo mais igualitário"...bom, isso todos queremos; mas, ela é uma instituição científica ou uma frente social pra fazer discursos humanitários? Se as comprovações científicas forem contra esse comportamento terão que ser sufocadas? Assim como o Conselho de Psicologia e outras autarquias no Brasil, percebe-se a subserviência à sindicatos ideológicos que se levantam contra qualquer discordante. Dessa forma engessa o progresso científico; e o prejuízo será de todos sem exceção não concorda?

      Excluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá novamente Fábio.

      Pelo menos percebe-se que, diferentemente de anos atrás, até a militância gayzista entende agora que discordar não é julgar. Agora, quanto ao debate público, eu mesmo noto que as discussões estão indo para o lado errado das coisas, ex: a ala conservadora deve protestar e lutar contra os privilégios que superioriza os homossexuais em detrimento dos religiosos tradicionais que são maioria esmagadora, castrando o direito de livre expressão e crença (mesmo sendo milenares e "antiquadas" como dito por Jean Wyllys; também protestar contra agendas forçosamente impostas por esses movimentos que maior parte desses são claramente antidemocráticas e totalitárias castrando a Carta Magna...agora, os debates sobre se é antinatural, desvio de comportamento etc e etc é perca de tempo mesmo; a não ser para enriquecer opiniões e favorecer a supremacia da razão.

      Quanto a manipulação de informações; sinto dizer amigo sem nenhum desejo de ser magnânimo, mas talvez como você, um observador também; o lado de lá é campeão de longe quanto a divulgação de informações tendenciosas e incorreta; haja vista toda a classe falante estar a seu dispor, e ai de quem falar contra! terá sua carreira condenada pelo establishment.

      ALguns exemplos: Jean Wyllys disse que os homossexuais representam 10% da população brasileira !

      Os jornais disseram que foram quase 3 milhões na parada gay quando foram só 220.000..isso é caso de Procon! percebe o controle social da mídia?

      Os exemplos são aos milhares; o problema é que está tão unanimizado e partidarizado essa corrente de pensamento que se cria uma subcultura que causa hipnose coletiva que se transforma em um certo tipo de provincianismo semelhantes a países como China, Coreia do Norte, Cuba etc, e quando surge uma informação que vai contra a maré tem a sensação peixe fora da água; quer ver? você já ouviu que o comportamento homossexual deixou de ser doença não por comprovação científica, mas por Lobby político (que incluía até ameaças de mortes e sequestros contra os cientistas? igualmente está acontecendo isso com Marco Feliciano) causa estranheza mas isso nunca chegará aos ouvidos das massas. (detalhe: apesar disso, pra mim também não é doença ok? rsrsrs)

      Desculpe ser longo na resposta amigo; não sei sintetizar ideias ainda rsrs; mas, quanto mais nos expressarmos, melhoramos; só ressaltar que apesar de tanta guerra cultural, o movimento LGBT não representa de verdade os gays; mas a interesses espúrios.

      Se você tiver um tempo ou interesse; baixe o livro de Julio Severo "O Movimento Homossexual", é só clicar na capa do livro aqui no lado esquerdo da página; se você ler desapaixonadamente e com pesquisa séria pode entender; meu interesse não é de te convencer em alguma coisa, mas informar como é o objetivo do blog assim como eu estou a disposição de informações.

      Abraços e tudo de bom, obrigado pela sua rica participação :)
      Ezequiel Domingues dos Santos

      Excluir
  12. Olha só, sou extremamente contra o “Argumentum ad hominem" mas o seu discurso parece um tanto ansioso e dá a entender que você se sente atacado com as demandas dos cidadãos gays; não sei se por não ter entendido o que está sendo solicitado ou por não possuir uma base psíquica estruturada da tua própria heterossexualidade.
    É interessante como você tem facilidade de usar as palavras de uma forma aparentemente polida e bem articulada. Mas você abusa da generalização para justificar suas críticas e se desvia do assunto nos exemplos.
    Suas respostas são tão grandes que eu necessitaria de muito tempo para poder pegar cada afirmação e comenta-la. Assim fica difícil. Você acaba cansando e não dá espaço para a tréplica.

    “esses movimentos que maior parte desses são claramente antidemocráticas e totalitárias castrando a Carta Magna”
    “classe falante estar a seu dispor, e ai de quem falar contra! terá sua carreira condenada pelo establishment”

    Por favor, isso é verborragia sem fundamento.

    Leia o artigo por favor e pare de usar o nome do Dr. Francis Collins de forma equivocada:

    http://wthrockmorton.com/2008/09/what-did-francis-collins-really-say-about-homosexuality/

    ResponderExcluir
  13. http://wthrockmorton.com/2008/09/what-did-francis-collins-really-say-about-homosexuality/

    Malafaia usou essa condição para afirmar que Francis Collins teria dito que não existe "gene gay". E de fato, não existe mesmo um gene que é gay. Isso entra novamente naquela questão de que muita gente não tem os requisitos mínimos de conhecimento sobre determinado assunto para começar a discutir. Vemos isso quando nos perguntam "O homem veio do macaco?". Se você NÃO SABE, limite-se a não dar palpites. Pergunte e aprenda antes de fazer afirmações nonsenses.
    Existe sim fatores hereditários para a homossexualidade. Francis Collins não nega isso e nem ele mesmo concorda com Malafaia.

    ResponderExcluir
  14. Meu maninho sempre polemico! gostei do post esclarecedor

    ResponderExcluir
  15. Quem confessaria mais facilmente suas tendências homossexuais, o homem ou a mulher? O moço, o adulto ou o velho? O habitante de um país de clima frio, temperado ou quente? O ocidental ou o oriental? Aquele que vive sob um regime ditatorial ou aquele que vive numa democracia? O judeu, o cristão, o muçulmano ou o pagão? O religioso ou o irreligioso? O homem heterossexual adulto que confessa ter praticado «troca-troca» na infância ou na adolescência, confessa com a mesma sinceridade se foi ativo ou se foi passivo? O homem adulto que admite sentir desejos homossexuais admite indiferentemente que se excita com a ideia de penetrar o ânus de um homem ou com a ideia de ter seu ânus penetrado por um homem? Só essas questões reduzem a nada o valor das respostas. O atual e tímido índice de 6% que se dá para o contingente populacional gay baixaria a zero se fosse sondado em países que sentenciam à morte ou à prisão os praticantes da homossexualidade. Qual o louco que, nessas conjunturas, havia de colaborar com tais pesquisas (supondo que cientistas estejam dispostos a serem mártires da verdade em tais lugares e a empreenderem tais questionamentos periculosos)?! E mesmo no ocidente, há países democráticos nos quais não existem oficialmente homossexuais. Se o Estado, que é uma abstração sem sentimentos morais, age no sentido moral, a ponto de afirmar que seus cidadãos são todos heterossexuais, numa atitude tão ridícula e que serve de chacota aos intelectuais, o que não fariam os colaboradores de pesquisas sobre sexualidade, e especialmente a homossexual!

    Pelas regras da crítica histórica, devo acreditar em tudo o que seja humanamente possível e dito em própria desvantagem; e, ao contrário, estou autorizado a considerar como suspeito o que se diz em vantagem própria, ainda que se trate de algo humanamente possível.

    Na investigação sobre a sexualidade de gêmeos idênticos, portanto, aceito como verdade o que um deles diz em própria desvantagem («Sou gay»); e desconfio da sinceridade do outro que diz em própria vantagem: «Nunca tive experiência(s) homossexual(is)», «Já tive experiência(s) homossexual(is) e não tenho mais», «Não sinto desejos homossexuais».

    Existe consenso entre os geneticistas sobre a identidade perfeita da carga genética compartilhada pelos gêmeos aparentemente idênticos? Parece que não, como, aliás, não a há em nenhuma das indagações humanas, exceto no caso da irreversibilidade da morte (http://www2.uol.com.br/sciam/noticias/genes_de_gemeos_identicos_nao_sao_iguais_imprimir.html).

    ResponderExcluir
  16. Quanto ao fato de haver ex-gays, ou mais ex-gays do que gays e bissexuais no mundo, nada tem de espantoso, uma vez que existem mais ex-assassinos do que assassinos nesta vida, sem que, por isso, o ser humano deixe de sentir impulsos assassinos a cada instante. Regra que vale universalmente, sem haver uma única exceção, como é plausível supor. Existem mais ex-alcoólatras do que alcoólatras na Terra, e nem por isso o alcoolismo deixa de ser um fato em si mesmo, considerado até mesmo genético, e que é problemático para quem tem tendência a ser problemático, e socialmente tolerável em quem é propenso ao equilíbrio. Existem mais ex-adúlteros do que adúlteros neste planeta. Devo, então, deixar de suspeitar que o ser humano tenha tendência à promiscuidade ou, mais apropriadamente, tendência à infidelidade amorosa? «O que é ainda mais impressionante é que a maior parte das mudanças de comportamento de assassinos, alcoólatras e adúlteros, ocorre sem qualquer aconselhamento ou terapia. Essas mudanças não são induzidas por terapia alguma, mas acontecem ‘naturalmente’ durante a vida, algumas delas muito rapidamente». [Eu me divirto de tal maneira com a imbecilidade dos homens gabaritados, que tomei a liberdade de usar aqui, ipsis litteris, mas com uma pequena adaptação, as próprias palavras do texto, para zombar dele!]

    Oh, que coisa impressionante, que fenômeno, esse, de abandonar o desvio e retomar a trilha batida!

    E a que preço o garoto estadunidense Kirk Murphy pôde comprovar o valor que têm as nossas convicções e as convicções dos doutores sabidões! (http://olharbeheca.blogspot.com.br/2011/08/terapia-para-homossexualidade-o-tragico.html)

    O nojo é inato ou herdado culturalmente? Só o ser humano sente nojo. Ele é universal entre nós. Pode até mesmo causar alterações fisiológicas e psicossomáticas gravíssimas em quem seja submetido à tortura de comer algo execrável, como uma sopa de lesmas, por exemplo. E tudo indica que herdamos culturalmente esse sentimento, capaz de se tornar mórbido e deprimir, levando à morte em casos extremos. Que diferença faz para mim que esse sentimento seja genético ou cultural, uma vez que eu o tenha vivo cá dentro, e esteja certo de que todo ser humano o tem também?

    A morte é comum ao ser vivo. Por acaso o projeto-genoma detectou algum gene ou genes que levam à morte natural? Dizer que a morte é um processo, uma falência, ou que é mais fácil morrer do que manter-se vivo etc., é dizer pouca coisa. Não houve nunca qualquer exceção à morte entre os humanos, nem quem, em épocas históricas, ultrapassasse os 130 anos. É preciso mais para se concluir que a nossa mortalidade é inata e tem um limite preestabelecido, ainda que os nossos projetos-genoma jamais encontrem qualquer respaldo genético para essa afirmação? (A ciência tem obtido êxitos fascinantes em termos de longevidade, mas aqui trata-se de mortalidade natural, simplesmente.)

    «E quanto mais verdadeiramente sábio um homem se torna, mais ele desconfia de tudo o que lhe dizem, e mais desprezo ele sente pelos mestres da mentira, os doutores do engano, aqueles que fundamentam a sua autoridade sobre a estupidez de quase toda a raça humana.» (Voltaire)

    verdadesuteiseverdadesinuteis.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo estudo Arioswaldo, salvei seu blog nos favoritos para ler calmamente.
      Paz em Cristo
      Ezequiel Domingues

      Excluir
    2. Ezequiel, por favor exclua os meus posts. Não consegui fazê-lo. Vejo agora (já lá vão 9 meses!), vejo que eles destoam do seu blog. Desculpe-me a invasão.

      Excluir
  17. OLÁ EZEQUIEL !
    VOCÊ POSSUI O LIVRO PARA DOWLOAND O COMUNISTA NU DE CLEON ?
    PODERIA ENVIAR PARA MEU EMAIL !
    RPACCHINI@HOTMAIL.COM

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo, infelizmente não tenho. Se encontrar, com dificuldade, ainda será em inglês.

      Excluir