terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Conselho de Psicologia e a inquisição gayzista





No dia 22/02 o Conselho Federal de Psicologia (CFP) novamente move um processo contra a psicóloga Marisa Lobo com uma possível cassação de seu registro de psicóloga por causa de sua confissão pública de   fé em redes sociais. Desde 2011 a psicóloga é denunciada de fazer declarações homofóbicas, e agora o conselho acrescenta a acusação de racismo.
Gnotícias

Não só com ela, mas também já moveram processos contra o pastor/psicólogo Silas Malafaia pelos mesmos atos. Numa atitude de ''onipotência'' o conselho de psicologia se levanta contra todos os que discordarem do comportamento gay e agora criminalizam a expressão religiosa dos profissionais da área.

Também, promoveram essa regra absurda e engraçada algum tempo atrás o qual proibiram qualquer psicólogo de orientar um homossexual de deixar essa prática (mesmo com o pedido do paciente), mostrando que a psicologia desse conselho não visa o bem-estar do sujeito mas a ideologização já impregnada nessa sociedade do comportamento com os maiores privilégios no mundo.

A gestão do atual conselho de psicologia é pautado por uma agenda política totalmente alheia aos interesses do profissional de psicologia.

Ao longo de toda História, nunca um comportamento foi tão protegido, tão acariciado pelos movimentos sociais e tão imunizado contra críticas e tão aplaudido pela mídia que qualquer pensamento que se levante levemente contrário já é categorizado como homofóbico sem notar a definição real do termo; a proteção legal que se revindica para o homossexualismo é tão megalômana e desproporcional com os direitos das demais pessoas e grupos que resultará como o padrão de comportamento para todos e blindado de qualquer opinião contrária como se fosse um comportamento humano superior.

Se nota claramente a incrível ferocidade que é atribuída a homofobia com a religião cristão, mesmo se todos cansarmos de falar que mesmo que nas Escrituras dizem que os sodomitas e efeminados irão para o inferno não significa que os tais são inferiores a nós, porém, o conselho de psicologia está forçosamente travando uma guerra cultural onde só é permitido eles argumentarem e denunciar os opositores; vemos que a democracia, liberdade religiosa e de expressão estão respirando por aparelhos.

Penso eu que a grande massa da população cristão só vão encarar com mais seriedade essa injustiça e crimes de falsidade ideológica contra essas militâncias quando realmente as leis inferirem suas vidas privadas; queira Deus que se levantem mais psicólogos de coragem e denunciar esse pseudo-conselho que, assim como outras instituições acadêmicas e orgãos do governo está adoecendo a já moribunda intelectualidade brasileira e castrando todas as formas de cultura que vão contra o establishment que ironicamente revindica a diversidade cultural.





Ezequiel Domingues dos Santos

Nenhum comentário:

Postar um comentário