sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Como frear a militância da igreja


''Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim, poderosas em Deus, para a destruição das fortalezas''.  2ªCor 10:4

A igreja de Cristo sempre teve um papel importante e cumpria isso com muito suor e sangue rolando no chão; mesmo no furor do império romano a igreja conquistava mais e mais adeptos até que não havia mais jeito; ou era aceitar a presença dos ''nazarenos'' ou continuar com a carnificina e extinguir Roma.

O efeito do ''ide''de Jesus teve mudanças cataclísmicas em todo o mundo; foi e continua sendo um grande agente histórico/transformador que trouxe serenidade, esperança e austeridade em meio aos desenfreados bárbaros; foi um agente civilizador em todo o Ocidente, influenciou grande parte das leis em todos países ocidentais e alguns orientais, enfim, deu um novo sentido de vida para milhões, e graças ao engajamento em missões a igreja sempre continuou crescendo e entrando em lugares que era impossível de entrar.

Mas, vendo que a igreja sempre cresce no sentido explosivo; o que está havendo no mundo com esse crescimento de religiões mundias, alternativas; a volta do paganismo, do gnosticismo, vários cismas entre o próprio cristianismo e uma crescente geração ateia e odiosamente antirreligiosa ?

Quem ver esse título pode imaginar que o autor dele pretende expôr dicas para lutar contra igreja de Cristo, nada disso; sei que as portas do inferno não prevalece contra a igreja (Mat 16:18), mostrarei apenas algumas dentre muitas sutilezas e estratagemas feitas pelo príncipe deste mundo; por mais que se possa encontrar explicações sociológicas sobre os temas expostos abaixo, lembramos que todos os acontecimentos no mundo referido ao plano de Deus para a humanidade tem o seu dedo, sua aprovação ou reprovação, seu controle, sua liberação etc...Ele está ciente do que se passa e nada lhe é oculto (Heb 4:13).


  • Indústria do escândalo: Sabemos que não devemos nos levar em conta pelo que as informações correntes na opinião pública fazem com nossa imagem, mas isso tem um efeito devastador no neófito, no irmão oscilante, fácil de ser abaldo na fé, sem contar que no Brasil muita gente são propícias a generalizarem as causas isoladas tendo a impressão de totalidade ex: escândalo sexual ''todos os padres são pedófilos'', políticos ''todos sem exceção são corruptos'', ''todo pastor rouba''e coisas do tipo. A indústria do escândalo é promissor nesse país pois aqui é o lugar onde mais se absorve facilmente outras culturas e é muito mais influenciada cegamente ao que põe em sua frente (desde o tempo dos índios é assim praticamente) ,sendo assim, observando o cenário da grande mídia onde 70% da população é orientada por apenas um canal de comunicação dá pra se notar onde o país pode chegar; cresce o número de pessoas decepcionadas com a religião, com Deus, com líderes; e como foi dito agora pouco - a tendência de generalizar- acaba por se voltar contra toda pessoa que representa a ''classe'' fechando o coração para pelo menos ouvir a pregação do evangelho.

  • Lapidação do discurso religioso: A grande influência do pensamento pós-moderno regado de existencialismo, materialismo, relativismo, pragmatismo e até egocentrismo dentro da igreja é um outro fenômeno mais devastador ainda porque ela age de dentro pra fora descaracterizando o seu papel de extensão do Reino de Deus na Terra; essas maneiras de pensar; e que nada tem a ver com as Escrituras, transforma completamente a cosmovisão do indivíduo em sua totalidade, de modo que altera o teor de seus louvores, pregações, comportamentos dos fiéis ao ponto de não distinguir a igreja de um clube social, de uma palestra de auto-ajuda, de um consultório de psicologia, de um show, ou um evento em horário nobre... tudo, menos o lugar onde nos reunimos para adorar a Deus e praticar a comunhão com os irmãos; quando o foco de todos os elementos de um culto não forem direcionadas a Deus, a igreja toma outra direção e acaba recebendo outros tipos de elementos.

  • Apagar a linha de separação: Sabemos que Paulo disse que não é necessário vivermos em ostracismo (1ªCor 5:10), mas não significa aprovar o pecado e sermos complacentes com tudo; a igreja tem essa grande capacidade de mudar as coisas ao seu redor ou pelo menos brilhar em meio as trevas; mas o que tem acontecido é ao contrário, a sucessofobia (medo de não ser aprovado) toma conta de muito de nossos irmãos que não conseguem discordar de seus amigos, ou não consegue expôr um ''a'' sobre a Palavra de Deus por medo de serem rejeitados e serem excluídos de sua vida social; ou, por serem escarnecidos e ganharem novo apelido na praça e ''manchar'' sua imagem. Essa atitude é contradizente com a missão individual de espalhar o bom cheiro do conhecimento de Cristo aonde quer que estejamos (2ªCor 2:14-16) ah! sem contar também os que gostam do pecado e não sabem o que é arrepender-se achando que pode praticar um cristianismo a seu bel-prazer o ponto de não sabermos quem é de Jesus ou só conhece de longe... a linha da santidade está sendo apagada.

  • A falta de unidade: É fato que o próprio número de ministérios que saem de dentro de outros ministérios já denotam que seus líderes não compartilharam de um mesmo pensamento; mas, pelo menos se permanecessem nas questões fundamentais como doutrinas e credos; pois assim manteria a ''unidade espiritual'' subjetivamente falando e manter o mesmo pensamento de saber com quem estamos lutando. A falta de unidade desvirtua a militância coletiva da igreja; tanto no sentido missiológico quanto sociológico; imaginem: se os 120 milhões de católicos e os 43 milhões de evangélicos (não aprovo o ecumenismo) se unissem com grande força e pressionassem o governo contra a legalização de muitas coisas bizarras como estão fazendo hoje e contra o boicote generalizado da tradição cristão inserida no Brasil não seria interessante?.....se não utópico!, quem sabe aí cabe aquela antiga frase '' a união faz a força''.


Pois bem, existem muitas outras coisas, fenômenos e agentes que estão querendo aplacar a força da igreja; sabemos quem está por trás de tudo isso e não ignoramos seus ardis (2ªCor 2:11), também sabemos que notadamente profecias estão se cumprindo em relação ao esfriamento e apostasia da fé (Mat 24:12 e 1ªTm 4:1); mas, sabemos que no final da história a igreja será vitoriosa; não será fácil; o cerco vai se fechando, as lutas internas e externas vão tentar minimizar mais e mais a influência da igreja em vários lugares do mundo (o desejo mesmo é liquidar) mas apesar de tudo os desígnios de Deus serão cumprido e nenhum de seus planos podem ser frustrados (Jó 42:2).


''Desde agora, a coroa da justiça  me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz,  me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda''.                                       2ªTm 4:8


                             Ezequiel Domingues dos Santos



Um comentário:

  1. Adorei a Postagem Ezequiel.
    Que Deus te abençoe!
    Já estou te seguindo!
    visite o nosso blog
    http://mocidadeescolhida.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir